GAY BLOG BR by SCRUFF

Um grupo de 7 homens gays do México apaixonados por videogames resolveram criar um grupo chamado “The Gaymers“, fazendo fotos cosplay prestando homenagens a várias séries de sucesso, como Mario, Pokémon, Zelda, Kingdom Hearts e outros. Aqueles que quiserem seguí-los podem acessar a página oficial do grupo no Instagram através deste link.

Os sete amigos se chamam Dario, Jorge, Edgar, Alex, Carlo, Roberto e Luis que, além dos games, também fazem homenagens a outros clássicos da cultura POP, como animes, histórias em quadrinhos e filmes.

GAYMERS: OS LGBTS NO MUNDO DOS JOGOS ELETRÔNICOS

Enquanto a origem exata da palavra é desconhecida, o termo “gaymer” foi usado na conversação casual do ato de jogar em fóruns de discussão e salas de bate-papo durante algum tempo como um jeito dos homossexuais distinguir-se de pessoas heterossexuais na comunidade. O termo emergiu para se tornar um “selo” aceito usado por aqueles fora da comunidade sobre o ato de jogar para referir-se a jogadores LGBT de videogame em vários países, como México, Brasil, Estados Unidos e outros.

A palavra ficou mais proeminente em volta do começo do século XXI quando a comunidade gaming em conjunto ficou mais comum e inclusiva. Devido à aceitação social crescente tanto de gamers como de homossexuais, então mais pessoas começaram a se identificaram como ambos, apesar da concepção errônea comum que ambos os estilos de vida não vão em conjunto.

O próprio termo é uma contração de “gay” e “gamer”, e enquanto pela maior parte usado como um identificador positivo por aqueles dentro do grupo e os seus sustentadores, também pode ser usado em estilo derrogatório, semelhante à sua palavra de raiz.

Em 2006 uma Universidade de Illinois em um estudo sociológico na urbana Champaign viu um subgrupo de gay gamers conhecido como “gaymers”. Entre a crítica ter “perguntas carregadas”, o estudo concentrou-se no perfil de um “gaymer” e assuntos que eles têm quanto à percepção deles na comunidade gamer e a visibilidade dos personagens gays em jogos. O autor do estudo observou o nível do preconceito que os gaymers aturam “Gay gamers tem a experiência de uma faca de dois gumes de preconceito… A cultura gay dominante e os meios de comunicação não são sustentadores de videogame. Então você tem a cultura gamer que não é sustentadora da cultura gay. Portanto você tem essas pessoas encurraladas no meio que fazem que isto dobre o preconceito de dois gumes.”

Grupo de gamers gays do México faz sucesso no Instagram
Reprodução



Junte-se à nossa comunidade

Mais de 20 milhões de homens gays e bissexuais no mundo inteiro usam o aplicativo SCRUFF para fazer amizades e marcar encontros. Saiba quais são melhores festas, festivais eventos e paradas LGBTQIA+ na aba "Explorar" do app. Seja um embaixador do SCRUFF Venture e ajude com dicas os visitantes da sua cidade. E sim, desfrute de mais de 30 recursos extras com o SCRUFF Pro. Faça download gratuito do SCRUFF aqui.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia"