Pabllo Vittar dá uns bons beijos na boca de Diplo em novo clipe: ‘Então Vai’

Saiu nesta sexta, o clipe "Então Vai“, parceria com o DJ estadunidense Diplo, do grupo Major Lazer. O vídeo foi gravado no Rio de Janeiro celebra alegria e diversidade

LETRA – ‘Então Vai’

(Diplo, Diplo)

O nosso amor jogou pro alto
Em queda livre você me fez cair
Mas não vou descer do salto
Eu me segurei e vou reagir
Toda motivada! Eu to mais que preparada!
Decidi me divertir, uai!
E não é você que vai me impedir!

Ooh ooh ooh ooh

Coração é cigano
Sei também o que é melhor pra mim
Foram tantos enganos
Mas a vida tem que seguir
Então vai!
Então vai!

Me arrastei no seu mundo
E no fim eu aprendi
Então vai!
Então vai!
Então vai!
Então vai!

O nosso amor jogou pro alto
Em queda livre você me fez cair
Mas não vou descer do salto
Eu me segurei e vou reagir
Toda motivada! Eu to mais que preparada!
Decidi me divertir, uai!
E não é você que vai me impedir

Ooh ooh ooh ooh

Coração é cigano
Sei também o que é melhor pra mim
Foram tantos enganos
Mas a vida tem que seguir
Então vai!
Então vai!

Me arrastei no seu mundo
E no fim eu aprendi
Então vai!
Então vai!
Então vai!
Então vai!

FICHA TÉCNICA – ENTÃO VAI
Direção: Hick Duarte
Assistente de direção: Gianluca Misiti
Direção de Fotografia: Hick Duarte e Renato Pagliacci
Produção Executiva: David Jensen e Patrícia Veneziano (WBORN)
Platô: Jeferson Hulk
Câmera: Marco Frossard
Logger: Leo Mendes
Styling: Victor Miranda
Direção de arte: Laura Taylor e Otávio Françoso (Manmade)
Beleza: Dindi Hojah
Produção de casting: Julia Gameiro
Talentos: Camila de Alexandre, Juan Falcón, Danielle Aguiar, Catherine Silva, Mateus Trindade, Urias
Produtora de Locação: Flávia Santos
Agradecimentos especiais: Comunidade de Araçatiba, Rio de Janeiro

SOBRE DIPLO

Diplo conheceu o funk carioca através de uma fita que suas amigas argentinas escutavam sem parar. Sua obsessão foi tão grande que Diplo resolveu comprar uma passagem e ver com seus próprios olhos o que era o funk carioca (que a imprensa estrangeira chama de baile funk). Depois de procurar e não achar nada nas lojas de discos convencionais, um novo mundo foi descoberto, com mixtapes caseiras em CD-R, bailes em locais nada turísticos e todo clima que circunda o funk carioca.

Além paixão pelo hip hop old school/electro (bases do funk carioca), Diplo viu no funk carioca uma versão ainda mais punk do tão amado dirty south, o rap produzido em sua terra natal, no sul dos Estados Unidos . Assim como o funk carioca, o dirty south sempre foi relegado a um segundo plano, classificado como “música de pobre”. Ao ver com seus próprios olhos a natureza do funk carioca, Diplo se sentiu em casa.

O resultado dessa mistura de dirty south, electro, hip hop, funk carioca e ragga recebeu o nome de Florida, lançado pelo conglomerado Big Dada/Ninja Tune (selo de propriedade da dupla Coldcut, e ponta de lança de alguns dos maiores nomes da música moderna como Roots Manuva, Jaga Jazzist, Kid Koala e outros). O ponto central do disco é a música “Diplo Rhythm”. Sandra Melody antecipa o “aproach” de M.I.A. sobre uma base electro ragga, que apenas faz o caminho para Vybz Cartel (um dos grandes nomes do novo som jamaicano) levar a Jamaica para Nova Iorque, e fechando o grande ciclo da tal invasão que o terceiro mundo está promovendo na música eletrônica. Pantera & Os Danadinhos tomam para si a base, levando a mesma para uma volta no Rio de Janeiro. Diplo conheceu uma “funkeira mirim” Brenda B.