GAY BLOG BR by SCRUFF

A série Queer As Folk, popular nos anos 2000, trazia no enredo uma turma de amigos super “entendidos” e dilemas envolvendo amizades, relacionamentos e conflitos. Baseada na série britânica homônima exibida entre 1999 e 2000, a produção exibida no Reino Unido pelo Channel 4 trazia apenas três personagens principais (Stuart, Vince e Nathan) e duas temporadas totalizando dez episódios.

Elenco da primeira versão de "Queer As Folk" - Reprodução
Elenco da primeira versão de “Queer As Folk” – Reprodução

O nome da série é um trocadilho de ditado britânico: “Nada é tão estranho como as pessoas” (“there’s nought so queer as folk”), sendo que o termo “queer” também teria a conotação de gay. Idealizado por Russell T. Davies, a série recebeu esse título durante a sua pré-produção e por sugestão dos executivos do canal britânico, já que o título inicial era: “Queer As Fuck”.

A partir da produção britânica, Queer As Folk ganhou uma adaptação de Ron Cowen e Daniel Lipman numa coprodução entre Estados Unidos e Canadá, de 2000 a 2005. Na versão americana, a quantidade de personagens é maior: Brian (Gale Harold), Michael (Hal Sparks), Justin (Raddy Harrison), Emmet (Peter Paige) e Ted (Scott Lowell), além do casal de lésbicas Lindsay (Thea Gill) e Melanie (Michelle Clunie) e a mãe militante de Michael, Debbie (Sharon Gless). O enredo se passa em Pittsburgh, Pennsylvania.

Queer As Folk versão americana - Reprodução
Queer As Folk versão americana – Reprodução

Distribuído pela Warner Bros Television, a versão americana também teve um número maior de episódios: 83 distribuídos em cinco temporadas. No Brasil, a série foi exibida foi pelo canal a cabo Cinemax sob o título de “Os Assumidos”.

foto
Queer as folk – crédito: reprodução

QAF serviu como uma referência para a comunidade LGBT+ na época, em um período que séries não abordavam com tanta profundidade esta temática. Os dramas, amores, dificuldades e conquistas de um grupo de amigos homossexuais foram revelados de forma transparente e inovadora, evitando alguns estereótipos.

foto
Queer as Folk – crédito: reprodução

Vários temas importantes foram debatidos como HIV, casal sorodiferente, intimidação em ambiente de trabalho, abuso em drogas, prostituição e homofobia. As cenas de nudez e sexo apimentaram a série na versão americana.

foto
Queer as folk – crédito: reprodução

Apesar do sucesso de audiência, muitos perfis não foram abordados: QAF não tinha, por exemplo, personagens transgêneros, bissexuais ou negros. Mesmo tendo as suas “falhas”, a série foi e ainda é um marco para o público LGBTQ+, sendo a primeira série com protagonistas gays.

foto
Queer as folk – crédito: reprodução

Os Assumidos deixou um legado, com séries que também investiram na temática LGBTQ+, como EastSiders e The L World, sobre um grupo de mulheres lésbicas e bissexuais.

Para quem gostaria de rever ou assistir, todas as temporadas (DVDs) se encontram à venda em e-commerces.

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os LGBTs que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.