GAY BLOG BR by SCRUFF

This article is also available in: English

Na última terça-feira (07), em conversa com fãs na portaria do Palácio da Alvorada, Jair Bolsonaro (PL) disse acreditar que a “linguagem neutra dos gays” é fator para deixar “o pessoal sem raciocinar”. A digressão ocorreu quando Jair e o grupo tentavam comentar sobre o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM).

“Se eu pudesse interferir não ia ser esse tipo de Enem que está aí, de jeito nenhum. Lembra dois anos atrás, a questão da linguagem neutra dos gays? Não tenho nada contra, nem a favor. Cada um faz o que bem entender com seu corpo. Mas por que a linguagem neutra dos gays? Que que soma para gente numa redação? Agora, estimula a molecada se interessar por essa coisa”, acredita Bolsonaro. “Vai estragando a linguagem”, comentou um apoiador, ao que Jair respondeu: “A linguagem é o de menos até, vai estragando a garotada”.

Ainda que o exemplo de Jair se refira a uma questão do ENEM de três anos atrás sobre “pajubá” e não sobre “linguagem neutra”, nem a linguagem neutra e tampouco o pajubá possuem relação com a glossolalia que sua 3ª esposa usou para comemorar a confirmação do amigo André Mendonça no STF (Supremo Tribunal Federal). Enquanto a linguagem neutra procura encontrar maior inclusão e representação de identidades através de pronomes não binários, a glossolalia é quando “o indivíduo parece estar falando uma outra língua; produz sons ininteligíveis”, segundo conta o psiquiatra Elie Cheniaux na publicação “Psicopatologia descritiva”. Já o pajubá, considerado por Jair em 2018 como “dialeto secreto entre gays e travestis”, traz palavras e expressões reais provenientes de línguas africanas ocidentais, enquanto a glossolalia é tida como “delírio religioso, como sintomas de casos de distúrbio bipolar”, segundo estudo psiquiátrico de Anthony G. Hempel, J. Reid Meloy, Robert Stern, Shinichi J. Ozone e B. Thomas Gray, nomeado de “Fiery tongues and mystical motivations: glossolalia in a forensic population is associated with mania and sexual/religious delusions.

Educação do Brasil tem menor investimento em 10 anos

Enquanto Jair acredita que a ‘linguagem neutra dos gays estraga a molecada’, dados do Portal da Transparência do Governo Federal apontam que o Ministério da Educação (MEC) fechou 2020 com o menos investimento desde 2011. Ainda com o planejamento orçamentário considerado baixo, a pasta gastou ainda menos do que poderia e teve que devolver R$ 1 bilhão aos cofres públicos.

https://g1.globo.com/educacao/noticia/2021/02/21/ministerio-da-educacao-nao-gasta-o-dinheiro-que-tem-disponivel-e-sofre-reducao-de-recursos-em-2020-aponta-relatorio.ghtml
Reprodução: G1

Os programas e ações da educação básica – etapa que vai do ensino infantil ao médio – foram os que tiveram menor gasto no ano passado. Dos R$ 42,8 bilhões disponíveis, o MEC pagou R$ 32,5 bilhões (71%), aponta matéria do G1.

Os programas e ações da educação básica – etapa que vai do ensino infantil ao médio – foram os que tiveram menor gasto no ano passado. Dos R$ 42,8 bilhões disponíveis, o MEC pagou R$ 32,5 bilhões (71%), aponta matéria do G1.
Reprodução: G1

“Temos um cenário em que o orçamento já está bastante reduzido e o MEC nem sequer está conseguindo executar [pagar]. Em parte, por incapacidade de gestão, e em parte, por ausência de um projeto claro para a educação básica. Não estamos falando de governo de 2 meses, é de um governo de 2 anos. Ainda não está claro qual é o projeto de educação básica e qual é a agenda compactuada com estados e municípios para desenvolvê-la”, analisou Olavo Nogueira Filho, diretor executivo do Todos pela Educação, em entrevista para o portal G1.

Ainda, segundo Olavo, a pandemia  escancarou os problemas das escolas brasileiras, que poderiam ser minimizados com ações do MEC: milhares de alunos sem computadores em casa ou local apropriado para estudar tiveram dificuldades de seguirem estudando. Os pacotes de dados não davam conta de carregar vídeos e fazer upload e download de tarefas, conta o diretor da ONG.

This article is also available in: English

Junte-se à nossa comunidade

Mais de 20 milhões de homens gays e bissexuais no mundo inteiro usam o aplicativo SCRUFF para fazer amizades e marcar encontros. Saiba quais são melhores festas, festivais eventos e paradas LGBTQIA+ na aba "Explorar" do app. Seja um embaixador do SCRUFF Venture e ajude com dicas os visitantes da sua cidade. E sim, desfrute de mais de 30 recursos extras com o SCRUFF Pro. Faça download gratuito do SCRUFF aqui.