De acordo com a coluna do Ancelmo Góis em O Globo, Lucinha Araújo, mãe de Cazuza, decidiu se posicionar através da ONG Viva Cazuza para que as músicas de seu filho não sejam utilizadas nas manifestações a favor de Jair Bolsonaro.

GAY BLOG BR by SCRUFF

“Com base nas prerrogativas dadas pelo artigo 29 da Lei de Direitos do Autor (Lei 9610/98), a Viva Cazuza desde logo torna pública a proibição da execução de qualquer obra ou interpretação de Cazuza em qualquer evento e/ou manifestação dessa natureza, ficando qualquer um que desrespeite esta proibição sujeito à aplicação das sanções civis e penais cabíveis em virtude de violação de direitos autorais. Apoiamos a democracia e não atitudes violentas”, diz a nota divulgada pela Viva Cazuza e assinada pela mãe do cantor e também pelos compositores George Israel e Nilo Romero.

A nota também alerta para as pessoas seguirem as medidas de isolamento social, reforçando as orientações da OMS para que a população fique em casa.

O posicionamento se dá porque a música “Brasil”, parte do álbum Ideologia lançado em 1988, acabou se tornando uma espécie de tema para as manifestações pró-Bolsonaro.

30 ANOS DA MORTE DE CAZUZA

O cantor, nascido Agenor de Miranda Araújo Neto, morreu por um choque séptico causado pela AIDS no dia 7 de julho de 1990, aos 32 anos. O diagnóstico veio em 1987, durante a época da promoção de seu segundo álbum solo, Só se for a Dois.

Depois que Cazuza descobriu que estava com o vírus HIV, ele disse que “parou de olhar o próprio umbigo e passou a cantar o seu país”, segundo sua mãe.

Já a Sociedade Viva Cazuza foi fundada no final de 1990 com o objetivo de ajudar pacientes com o HIV/AIDS. Em 1994, a ONG passou a dedicar seus esforços especialmente às crianças e adolescentes abandonados pelas famílias por serem soropositivo. Além deles, há também um trabalho para pacientes adultos que, em sua maioria, são analfabetos.

HIV e AIDS são coisas diferentes

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".