GAY BLOG BR by SCRUFF

This article is also available in: English Español

O novo operador de Rainbow Six Siege, o personagem Flores, é gay. A informação veio da própria história do game dada pela desenvolvedora Ubisoft, que na descrição diz que ele tem um marido. Com isso, ele é o primeiro agente abertamente homossexual dentro do Siege.

O que era para ser apenas um detalhe referente ao personagem, acabou gerando polêmica nas redes sociais, já que muitos jogadores fizeram ataques homofóbicos no mundo inteiro, levando a figuras importantes do cenário mundial, como Parker “INTERRO”, explicar o quanto é importante a representatividade nos games.

“O novo operador de Rainbow 6, Flores, é gay – o primeiro personagem abertamente gay no jogo. Não importa se você se preocupa sobre a história ou não, já que muitos se importam. Representação importa. É muito legal ver tantas pessoas felizes que um personagem gay apareceu em Rainbow 6” – disse.

Suas palavras foram endossadas pela ex-técnica de Rainbow Six e atual caster, Jessica “Jess”, ao responder um comentário que dizia que ninguém deveria celebrar uma escolha particular: “É cansativo existir em uma época em que nos dizem como devemos ou não podemos celebrar as coisas. ‘Se eu fosse…’ Bem, você não é? Então por que não se cala? Você nunca teve que viver ‘aquela escolha’ O que também NÃO é uma escolha!”.

Novo personagem de Rainbow Six é gay e tem marido, diz empresa criadora do game
Reprodução

Um dos comentários homofóbicos mais retweetados diz: “Eu não tenho problemas com gays, mas por que trazer para os videogames? Eu não entendo!”, sendo que uma das principais respostas trocou a palavra “gay” para ‘hétero”: “Eu não tenho problema com héteros, mas por que trazer para os videogames?”.

O ambiente gamer é considerado homotransfóbico ainda e um estudo feito pelo canal GamesRadar concluiu que, ainda hoje, há muito pouca representatividade LGBT, mesmo que esteja melhorando. Em 2018, o serviço de distribuição digital de jogos Steam teve mais de 9.000 títulos adicionados em seu catálogo, destes, apenas 179 games continham personagens LGBTs e somente 8 eram protagonistas.

This article is also available in: English Español

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".