Escolha o Kit Gay ideal para o seu amigo poc secreto

O kit gay certamente é a melhor opção para deixar os homoafetivos felizes. Neste natal, faça uma poc brilhar e ser feliz!

1KIT GAY PADRÃO – R$ 715,79

  • Whey Protein Isolado sabor Yakult (R$ 159,99)
  • Camiseta Abercrombie & Fitch (R$ 249,90)
  • Perfume 212 VIP by Carolina Herrera (R$ 305,90)

2KIT GAY DEFAULT – R$ 410,45

3KIT GAY POC BASIQUINHA – R$ 382,53

4KIT GAY DIGITAL INFLUENCER – R$ 100,00

kit gay

  • Crédito de R$ 100 para promover a selfie no Instagram

5KIT GAY SUGAR DADDY – R$ paga com o corpo

  • Viagem para conhecer as locações de “Call Me By Your Name“*
    * caso o daddy já tenha dado a senha do cartão de crédito

6KIT GAY DE ESQUERDA – R$ 144,48

7KIT GAY PSL – R$ 359,00

kit gay bolsonaro
Bonoro em sabatina no Jornal Nacional. Foto: reprodução
  • G Magazine Alexandre Frota Outubro 2001 (R$ 90)
  • G Magazine Alexandre Frota Janeiro 2003 (R$ 50)
  • G Magazine Frota Faz a Festa 2004 (R$ 99)
  • G Magazine Frota edição especial 2006 (R$ 100)
  • G Magazine Alexandre Frota 2011 (R$ 20)

Infelizmente, o livro “Aparelho Sexual e Cia” que o Bonoro apresentou na sabatina do Jornal Nacional, não faz parte de nenhum kit gay.

MEC já havia desmentido a informação anos anteriores e tornou se manifestar (juntamente com sites de checagem de notícias) que nunca houve compra deste título da escritora francesa Hélène Bruller e ilustrado pelo cartunista suíço Zep. O livro, inicialmente no mercado pela editora Companhia das Letras, estava fora de catálogo e agora voltará a ser distribuído por conta da publicidade que o candidato fez em rede nacional.

O termo “Kit Gay” foi criado com caráter pejorativo para se referir ao projeto Escola Sem Homofobia. O material – composto por um caderno, impressos e peças audiovisuais – foi encomendado pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados ao Ministério da Educação (MEC) e elaborado por um grupo de ONGs especializadas, em conformidade com as diretrizes de um programa do governo federal lançado anteriormente, em 2004. Quando houve a polêmica sobre o seu conteúdo, em 2011, Haddad estava no comando do MEC. É possível baixar o PDF do projeto ‘Escola Sem Homofobia’ aqui.

Sobre esta confusão, uma professora do ensino público se pronunciou:

Reprodução/Facebook

E sobre o ensino de sexualidade nas escolas, a sexóloga Laura Muller explicou do que se trata – em um pouco mais de um minuto:

2 COMENTÁRIOS