GAY BLOG BR by SCRUFF

This article is also available in: English Español

A Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo divulgou um relatório mostrando que 95% das pessoas vivendo com HIV atendidas pela prefeitura entre os anos de 2017 e 2020 fazem o uso de antirretrovirais regularmente e, por isso, apresentam carga viral indetectável.

Os números superam a expectativa estipulada pelo documento “Declaração de Paris” em dezembro de 2014 pelo Programa Conjunto das Nações Unidas Sobre HIV e AIDS (UNAIDS). A meta é que cidades de todo o mundo enfrentem o HIV de modo que erradiquem a AIDS até 2030 e, para isso, a declaração criou a meta 90-90-90 para 2020, sendo cada um deles referente a uma porcentagem de pessoas com HIV sendo diagnosticadas; que elas estejam em terapia antirretrovial; e que alcancem uma carga indetectável.

Outro dado positivo mostra que as pessoas que iniciaram o tratamento em menos de trinta dias após a descoberta do vírus aumentou consideravelmente. Em 2016, o número era de apenas 13,8%, enquanto em 2020 chegou a quase 70%. Além disso, há quatro anos atrás uma pessoa levava, em média, seis meses para começar a tomar os antirretrovirais, enquanto agora é 23 dias.

Aqueles que estão há seis meses com carga viral indetectável não transmitem o vírus pelas relações sexuais e, por isso, o objetivo é que todos aqueles que convivem com o HIV estejam com esse status; desse modo diminuindo consideravelmente o índice de transmissão. A meta é que em 2030, a AIDS seja erradicada em todo o mundo.

O relatório aponta também que os dados positivos também estão relacionados às políticas da Prefeitura de SP, que ampliou a distribuição de preservativos em unidades de saúde, terminais de ônibus e em mais de 40 estações do metrô e da CPTM; fez ações com testagens rápidas pela cidade; implementou e expandiu a Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) – sendo que atualmente a capital paulista representa cerca de 45% do total de pessoas cadastradas em PreP do Brasil – e realizou um grande número de Profilaxias Pós-Exposição (PEP).

São Paulo também recebeu uma certificação do Ministério da Saúde por ter conseguido eliminar a transmissão vertical do HIV, que é quando a transmissão acontece da mãe para o filho durante a gestação.

95% das pessoas vivendo com HIV em São Paulo têm carga viral indetectável
95% das pessoas vivendo com HIV em São Paulo têm carga viral indetectável. Foto: Reprodução/Google

Para acessar o relatório, basta entrar neste link.

This article is also available in: English Español

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".