Baladas terão policial disfarçado para combater homofobia

Decisão foi motivada principalmente pelo crime ocorrido na madrugada do último sábado (13), quando um jovem de cerca de 20 anos foi baleado na porta de uma casa noturna

A Polícia Militar de Mato Grosso do Sul vai a campo para prevenir crimes de homofobia, principalmente os que atentam contra a vida. À paisana, policiais circularão por bares e casas noturnas que atendam preferencialmente o público LGBT+.

policial disfarçado baladas
007 Bond, James Bond. Foto: reprodução The Daily Beast

A informação foi divulgada na manhã desta terça-feira (16), após reunião de proprietários de estabelecimentos noturnos, lideranças da causa gay e a cúpula da Segurança Pública do Estado, no Parque dos Poderes, região leste da Capital.

O encontro foi motivado principalmente pelo crime ocorrido na madrugada do último sábado (13), quando um jovem de cerca de 20 anos, que não teve a identidade revelada, foi baleado na porta de uma casa noturna na região da Uniderp, na Avenida Ceará, região central.

De acordo com relatos das testemunhas, dois homens chegaram ao local em um veículo Golf de cor prata, por volta das 2h27 da madrugada. Um deles vestia camiseta azul e desceu do automóvel aos gritos. Após chamar os frequentadores da festa de “viados”, o homem derrubou motos que estavam estacionadas próximas ao bar e efetuou, pelo menos, dois disparos com arma de fogo.

O caso ainda é investigado pela Polícia Civil e, de acordo com informações passadas pelo comandante-geral da PM, coronel Waldir Acosta Ribeiro, as novas medidas de segurança passam a valer já no próximo final de semana.

Além da utilização de PMs do serviço secreto, que circularão à paisana, nos arredores e até no ambiente interno desses locais, estão previstos o reforço das patrulhas com uso de viaturas habituais da corporação nas cercanias.

“O objetivo principal é identificar esses maus elementos e fazer a prevenção fundamental para que esses tipo de atentados contra a vida não se repitam”, disse Acosta, na saída do prédio da Secretaria de Estado da Justiça e Segurança Pública, onde se realizou o encontro.

O comandante da PM também assegurou que nos primeiros finais de semana, viaturas circularão não só pelas baladas, mas como por pontos tradicionais de prostituição, principalmente de travestis, não só em Campo Grande, mas em Dourados e Três Lagoas, cidades do Estado onde são identificados movimentação acima da média desse tipo de atividade.

Presente ao encontro, o secretário Antônio Carlos Videira reforçou aos empresários a importância de se registrar os boletins de ocorrência dos fatos fora do nomral que acontecerem, além de definir parceria no sentido de fornecimento de imagens das câmeras de seguranças dos principais estabelecimentos frequentados pelo público LGBT.

O CASO

O jovem baleado em frente ao Bar Fly na madrugada de sexta para sábado já está em casa. Os dois tiros que atingiram a vítima foram de raspão. O nome e a idade não foram divulgadas. A família não quer se expor sobre o caso. A polícia investiga o crime.

A proprietária da casa noturna, Fátima Menas, ressaltou que na noite de ontem já abriu o local com o dobro de seguranças. Ela voltou a afirmar que apesar do preconceito contra homossexuais sempre existir, eleitores do Bolsonaro estariam aproveitando a campanha eleitoral para executar a homofobia. “Eles estão com a maioria do lado. A minoria vai sofrer muito”, lamenta.

O rapaz foi baleado após ter saído para a parte externa do bar para fumar, quando foi atingido por tiros na altura da cintura. De acordo com relatos das testemunhas, dois homens chegaram ao local em um veículo Golf de cor prata, por volta das 2h27 da madrugada.

Um deles vestia camiseta azul e desceu do automóvel aos gritos. Após chamar os frequentadores da festa de “viados”, o homem derrubou motos que estavam estacionadas e efetuou, pelo menos, dois disparos com arma de fogo.

A vítima, que estava próxima ao estacionamento, foi atingida e correu de volta para dentro do bar. O menino foi socorrido pelos seguranças e administradores do estabelecimento, que fizeram um curativo e o levaram para a unidade de pronto atendimento do bairro Tiradentes, na região leste.

Informações do Correio do Estado.

Comente