Ícone vivo do transformismo na cena LGBT+ carioca das décadas de 80 e 90, Lorna Washington chega ao streaming. O documentário “Lorna Washington – Sobrevivendo a Supostas Perdas” narra a trajetória da artista que transformou sua tragédia numa grande comédia.

- CURTA A PÁGINA DO FACEBOOK -

Lorna chegou a ser homenageada na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro e em diversas Paradas de Orgulho LGBTQI+ por sua militância na luta contra o preconceito e na conscientização sobre o HIV.

Quando os holofotes se apagam, as câmeras revelam uma rotina curiosa. Lorna mora no Engenho da Rainha, subúrbio do Rio, e lida com um problema de saúde na perna que a levou a deixar de lado os saltos e a fazer shows num andador. Mesmo assim, nunca perdeu o rebolado. Afinal, sucesso é saber viver do seu próprio jeito. E isso Lorna canta no gogó, sem dublar.

Além de imagens raras de bastidores de clubes gays cariocas dos Anos 1980, 1990 e 2000, a história é contada por personagens próximos a Lorna, como Rogéria (em uma de suas últimas entrevistas em vida), Alcione, Milton Cunha, Edy Star e Isabelita dos Patins. A direção é assinada pela dupla Rian Córdova e Leonardo Menezes. Ambos saíram da TV para montar um projeto de três filmes mapeando a cena LGBTQI+: Sobrevivendo a Suposta Perdas, Filha da Lua (sobre a ativista travesti Luana Muniz) e V de Viadão (sobre ativistas de direitos humanos LGBTQI+ de São Paulo).

Lorna
Reprodução

Com menção honrosa de melhor documentário no Rio Festival de Gênero & Sexualidade 2016 e Seleção do Festival Vina Del Mar 2017, o filme já vou aplaudido em festivais dentro e fora da Brasil. Do Rio a Belém, do Chile a Berlim.

O filme está disponível na plataforma NOW e será exibido no Canal Brasil em 10/08 (segunda) às 19h35, 25/08 (terça) às 14h55 e 28/08 (sexta) às 15h.

“Lorna consegue ter um discurso que ao mesmo tempo é sagaz, preciso, engraçado, conscientizador e ativista”, conta diretor do documentário

Google Notícias