Globo fará minissérie sobre príncipe homossexual do Brasil

Segundo informações, a Rede Globo fará uma mini-série baseada no livro "O Príncipe Maldito", de Mary Del Priore.

Segundo informações apuradas pelo Fefito, a Rede Globo fará uma mini-série baseada no livro “O Príncipe Maldito”, de Mary Del Priore, que conta a história de Pedro Augusto de Saxe-Coburgo e Bragança, que quase virou imperador do Brasil e, curiosamente, era homossexual.

Ele era primogênito da princesa Leopoldina com Luis Augusto Maria Eudes de Saxe e Coburgo. Historicamente, a princesa Isabel não conseguia engravidar e, por isso, Dom Pedro II (seu avô) mandou Pedro Augusto sair da Europa e ir ao Brasil. No entanto, em 1875, Isabel engravidou e ele não conseguiu a sucessão do trono.

A homossexualidade do príncipe é alvo de controvérsias até hoje e, segundo historiadores, ele não exercia seu desejo. Após a gravidez de Isabel, ele passou a viver uma tragédia pessoal e, depois de vários eventos dramáticos, passou o fim de sua vida em um manicômio.

Ainda não há previsão para “O Príncipe Maldito” ir ao ar, mas o roteiro da mini-série deve ser iniciado em 2020.

Pedro Augusto de Saxe-Coburgo e Bragança
Pedro Augusto de Saxe-Coburgo e Bragança. Foto: reprodução

Transtornos mentais e vida particular

As informações históricas dizem que quando Pedro Augusto era mais jovem, ele ia a bailes no Rio de Janeiro e dançava com moças bonitas, mas nunca se soube de um caso amoroso de fato.

A princesa da Saxônia, D.Luísa de Toscana, era apaixonada por ele e a imperatriz Teresa Cristina, a avó de Pedro Augusto, queria que ambos casassem. No entanto, o casamento nunca ocorreu, mas ambos teriam tido um “encontro muito agradável” em Baden-Baden, de acordo com o especialista na monarquia brasileira, Jean Menezes do Carmo.

Curiosamente, quando os problemas psiquiátricos de Pedro Augusto começaram a ficar bem evidentes, o pai da psicanálise, Sigmund Freud, foi atendê-lo a pedido do médico Jean Charcot, do manicômio onde ele passou os últimos anos de sua vida.

O membro da família imperial morreu no dia 6 de julho de 1934, aos 68 anos e com mais de 40 anos internados, dentro do sanatório em Tulln an der Donau, na Áustria.

Leia também: História de cangaceiro gay já foi narrada em 1956 em ‘Grande Sertão: Veredas’, de Guimarães Rosa.