GAY BLOG BR by SCRUFF

A Secretaria da Justiça e Cidadania, por meio da Coordenação de Políticas para a Diversidade Sexual, no último dia 15 de junho abriu um expediente para apurar uma discriminação LGBTfóbica envolvendo a Escola Estadual Aníbal de Freitas, em Campinas, contra o aluno Lucas, de 11 anos. O expediente tem com base na Lei Estadual nº 10.948/2001, que pune administrativamente a discriminação em razão da orientação sexual ou identidade de gênero.

Segundo o coordenador da CPDS, Marcelo Gallego, a Ordem dos Advogados do Brasil de Campinas encaminhou uma cópia do boletim de ocorrência e a Delegacia já foi oficiada, requerendo a cópia integral do inquérito. Após a apuração dos fatos, a Coordenação encaminhará o caso para o Secretário da Justiça, que decidirá se o processo administrativo será instaurado ou não.

As sanções variam de advertência a multa que pode chegar a R$ 87.000,00.

Justiça de SP abre expediente para apurar LGTBfobia em colégio de Campinas
Reprodução

RELEMBRE O CASO

A polêmica com o Lucas se deu no dia 11, quando a irmã dele, Danielle (26), resolveu publicar os prints da conversa em uma rede social. “Oi gente, então, que tal a gente faz (sic) um trabalho sobre o mês do LGBT?”, comentou a criança, tendo uma série de reações negativas dos pais e responsáveis que chamaram a mensagem de “absurda” e “desnecessária”.

A diretora da escola, Elizabeth Azevedo, mandou uma mensagem endossando as atitudes LGBTfóbicas “Quem é você, por favor? Retire seu comentário, por favor. Muito obrigada. Diretora”. Em seguida, Lucas recebeu uma ligação da mediadora escolar, Marinês, que o ameaçou a tirá-lo do grupo caso o comentário não fosse removido, questionando também ao Lucas se ele “achava normal querer saber do assunto com a idade dele”.

Danielle disse que quando chegou em casa, seu irmão estava sem reação e com os olhos marejados. “No telefone, uma mulher gritava com ele, dizendo que o que ele fez era inapropriado. Sem entender, perguntei o que aconteceu e ele me explicou”.

A irmã pegou o telefone e conversou com a Marinês, que era irredutível em seus posicionamentos. “Ela queria a todo tempo me convencer que o Lucas estava errado e que eu estava passando a mão na cabeça dele. Ela não me ouvia, só gritava”, disse, acrescentando que a mediadora só parou de falar quando ela disse que homofobia era crime e ela iria procurar a justiça.

Afastadas diretora e mediadora que intimidaram aluno de 11 anos que sugeriu temática LGBT+

Após o episódio, Danielle enviou mensagens no grupo sobre o estado de Lucas e questionou no grupo de WhatsApp se eles “não entenderam o que fizeram”. As falas foram ignoradas e em pouco tempo a vice-diretora da escola bloqueou o envio de mensagens no grupo.

“Lucas ficou dois dias sem comer direito e chorando nos cantos. Por isso, sabia que não poderia deixar daquela forma. Enviei mensagem pra diretora pra ir lá presencialmente e ela não me respondia, não me atendia e não falou nada sobre o ocorrido”, conta. Ela só conseguiu um horário após outros pais cobrarem um posicionamento da escola. No entanto, o encontro, marcado para dia 15 de junho foi cancelado.

A diretora enviou um pedido de desculpas, mas diferente do combinado, foi enviada à Danielle e não no grupo da turma, além de que estava tarjada como “encaminhada”. “Para mim, ela não escreveu. Porque se ela encaminhou é porque outra pessoa o fez”, disse a irmã de Lucas.

Na nota recebida por Danielle, estava escrito que a escola “acredita na diversidade e nos direitos de todas as pessoas de ocupar os espaços de cidadania”. O documento também afirma que, junto à Seduc-SP, colaboradores da escola de Campinas passarão por formação para enfrentar preconceitos, rever as formas de comunicação entre alunos e família, e apurar eventuais responsabilidades funcionais.

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF possui mais de 15 milhões de usuários no mundo todo. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os LGBTs que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. Baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia"