Atualização: De acordo com a agência internacional de checagem de notícias HonestReporting, é fake news a história de que o Ministro da Saúde de Israel, Yaakov Litzman, deu declarações homofóbicas dizendo que a epidemia “é um castigo divino contra a homossexualidade”.

A HonestReporting diz que houve relatos de declarações extremas e homofóbicas de alguns líderes religiosos de “linha dura” de diferentes religiões sobre o coronavírus, mas não foi o caso de Litzman. A agência de checagem pontua, também, que caso a declaração tivesse sido feita pelo Ministro da Saúde, Israel estaria em alvoroço, já que está há uma grande parte da sociedade liberal e favorável aos LGBTs. O canal também aponta que a história da suposta declaração teve origem em um website oriundo do Paquistão e de um outro humanista chamado Patheos.

“Uma história dessa natureza certamente seria manchete na imprensa israelense, incluindo os muitos sites profissionais de notícias em inglês que são facilmente acessados ​​por jornalistas de todo o mundo.”

ISOLAMENTO SOCIAL, EXCETO PARA CULTOS

Yaakov Litzman, 71, Ministro da Saúde de Israel, testou positivo para coronavírus. Recentemente, Liztman foi acusado de violar as diretrizes de seu próprio Ministério sobre distanciamento social a fim de continuar a participar dos cultos de oração.

Health minister Yaakov Litzman speaks during a press conference at the Prime Ministers office in Jerusalem on March 12, 2020. Photo by Olivier Fitoussi/Flash90 *** Local Caption *** יעקב ליצמן שר הבריאות קורונה וירוס
Sentiu, Yaakov Litzman?Foto: Oliver Fitoussi

Além de Ministro da Saúde de Israel, Yaakov Litzman também lidera o partido ultra-ortodoxo do Judaísmo da Torá Unida e testemunhas disseram que ele foi visto rezando na casa de outro membro de sua seita três dias após a proibição dos serviços internos. Seu gabinete negou todas as acusações de que ele quebrou suas próprias regras de distanciamento social.

Segundo Arutz Sheva, também conhecido como Israel National News Litzman foi descrito como o “ministro mais homofóbico” de Israel. Um projeto de lei do Ministro da Justiça abertamente gay Amir Ohana para expandir a lei de crimes de ódio israelense para proteger pessoas trans foi retirado da agenda do Knesset em 2016. Ohana disse que “com o ministro mais homofóbico da história do estado de Israel e com o ministro que é tão popular entre o público israelense, Yaakov Litzman, que tem tanto medo das palavras ‘identidade de gênero’ que ameaça desmembrar a coalizão se entrar nos livros de leis sob sua vigilância”.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".