GAY BLOG BR by SCRUFF

O serial killer de Curitiba, José Tiago Corrêa Soroka, foi transferido para o Minipresídio de Campo Lago na manhã deste dia 2 de junho. Ao prestar depoimentos na Delegacia da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), ele afirmou repetidas vezes que se fosse para a Casa de Custódia de Curitiba (CCC), ele seria executado. As informações são do Ric Mais.

“A defesa acredita na capacidade do estado em fazer a proteção dele, por ser um crime de repercussão, crime que, segundo a mídia, tem relação a um preconceito homofóbico. É a razão pela qual ele precisa ter essa proteção” – diz o advogado de defesa de Soroka, Rodrigo Riquelme.

Em entrevista à Record TV, Soroka disse que as mortes não têm relação com a orientação sexual das vítimas, dizendo que não tem preconceito e nem curiosidade em se relacionar com homens.

“Não tenho aversão, não tenho ódio. Para mim, cada um tem a sua opção sexual [sic], e deve ser respeitada”, disse Soroka.

Ele, que se define heterossexual, disse que seu relacionamento com a segunda esposa acabou quando ela descobriu alguns de seus crimes. Na ocasião, um boletim de ocorrência foi registrado contra ele por agressão.

“No começo foi bem tranquilo” – conta Soroka“Eu já tinha envolvimento com alguns delitos, ela descobriu e o relacionamento começou a dar uma boa decaída. Chegou a um certo ponto que nós brigamos e chegamos às vias de fato”, contou.

Ele também explica que sua vida no crime começou após ele ter sido preso por dirigir embriagado e não conseguir mais atuar na profissão de vigilante.

“Um dia, fui a um churrasco com uns colegas e levei um deles até a residência em Almirante Tamandaré. No meio do caminho, eu já tinha bebido, fui parado pela polícia e preso por dirigir embriagado. Isso implicou para ‘mim em renovar’ a carteira”, explica.

O serial killer também confessa se identificar com o perfil de sociopata por não sentir culpa após a mortes, alegando que o foco dos encontrar era roubar os objetos da casa das vítimas.

“Eu entrava, a gente tinha uma breve conversa e aí eu pedia para [ele] virar de costas. Nisso, eu aplicava um mata leão. A pessoa apagava, voltava e eu conversava. Falava ‘vou levar o que tem na tua casa, não reage que vai ficar tudo bem. Você sai bem e eu saio bem.’ Nessas situações que a pessoa veio a óbito eles reagiram, tentaram bater, tentaram empurrar, falaram que iam chamar a polícia. Nessa hora eu pensei que não ia conseguir me evadir da situação. Então eu acabei apertando um pouco mais e vieram a óbito. Eu não ficava muito tempo. Só resgatava o que tinha interesse e saí”, revelou.

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os LGBTs que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia"