O cantor sertanejo Leonardo falhou ao tentar fazer humor durante um show, no último domingo (15), em Minas Gerais. O cantor, que pertence ao grupo de risco do coronavírus, informou dados errados sobre HIV, subestimou o covid-19 e depreciou profilaxias de ambos os vírus.

“30 milhões de pessoas no Brasil que tem HIV (…)  ninguém usa camisinha. Agora, 900 casos confirmados [de coronavírus] teremos que usar máscara? Cheguei a conclusão que é melhor a gente morrer foden** que morrer tossindo” – disse em “tom de brincadeira”.

O discurso gerou forte reação negativa de diversas organizações que lutam contra a AIDS. Entre as críticas mais comuns ao cantor, estão de que sua fala é irresponsável, desinformada e presta um desserviço a sociedade.

“Sem considerar sua responsabilidade como formador de opinião e influenciador de milhões de fãs, o artista banaliza dois importantes agravos à saúde que mobilizam a sociedade brasileira: o HIV e o COVID-19” – diz um documento emitido pelo Fórum das ONG/AIDS do Estado de São Paulo (Foaesp).

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Afora a desinformação, o Ministério da Saúde estima que há 866 mil pessoas com HIV no País, não 30 milhões como disse o cantor.

“Leonardo presta um desserviço às ações de controle da circulação do corona vírus e às mobilizações de incentivo ao uso constante do preservativo. Num momento em que a população busca apoio e modelos de ação, o artista equivocadamente faz ‘piadas’ sobre temas sérios. Além disso, a redução de eventos com grande público tem sido uma diretriz das autoridades sanitárias, ao invés de colaborar com esta iniciativa – como fizeram diversos outros artistas – Leonardo mantém a agenda colaborando para a possibilidade de mais infecções”, contrapõe a nota emitida pela Foaesp.

Perceba que, a maior parte dos comentários, são repudiando a fala do cantor.

“Repudiamos tais atos, que se revestem de falsa ideia de ‘bom humor’, mas que em sua subjetividade causam danos imensos à saúde pública, prejudicam seus fãs e as ações de responsabilidade social e de solidariedade, tão necessárias nestes tempos difíceis”, diz um comentário em destaque.

Esta não é a primeira vez que Leonardo demostra falta de habilidade para fazer humor e constrange o público. Em 2016, ao lado de Eduardo Costa estão com a turnê “Cabaré”, ambos fizeram “piadas” machistas e ofensivas.

NÃO É MOMENTO PARA SUBESTIMAR A PANDEMIA

Gráfico do El País mostrando o crescimento do coronavírus no mundo (Foto: Reprodução)
Gráfico do El País mostrando o crescimento do coronavírus no mundo (Foto: Reprodução)

A fala do cantor Leonardo subestima também a letalidade e os perigos do coronavírus. Para efeito de comparação, no dia 8 de março, eram 109 mil infectados e 3.800 mortos, e apenas 9 dias depois, no dia 17, são 200 mil infectados e 8.000 mortos, sendo que este número tende a crescer exponencialmente até a situação ser controlada.

Aqui, no Brasil, já são 2.064 casos investigados, sendo 234 confirmados e já foram confirmadas duas mortes causadas pelo covid-19.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".