Com a segunda temporada do programa TransMissão prevista para entrar no ar no Canal Brasil em junho, o Gente, portal de conteúdo da Globo, pediu para que Linn da Quebrada e Jup do Bairro enumerassem dez mulheres trans que são referenciais em suas respectivas áreas trabalhos.

Na matéria, foi destacado um trecho da entrevista de Jup do Bairro ao jornalista Victor Miller, do Gay Blog Br, onde Jup disserta sobre pessoas trans à frente do programa TransMissão“Não se trata de uma evolução na mídia tradicional. Acho complicado falar de ‘evolução’. Quando as pessoas trans receberem os mesmos valores de pessoas cis, tiverem a mesma demanda de contratações, aí sim poderemos considerar que estamos evoluindo. Se por um lado é intrigante ver o pioneirismo de pessoas trans, como aquelas que conseguem um doutorado com nome social; se é uma primeira pessoa trans na câmara dos deputados ou na literatura, isso é um momento de orgulho, mas também de preocupação. Se a gente for parar pra pensar, os avanços são contraditórios.” Para ler a entrevista completa basta entrar neste link.

Confira a lista com as dez mulheres trans admiradas por Linn e Jup:

Neon Cunha
Publicitária, diretora de arte e mulher transgênero.

Alice Guel
Cantora, compositora e modelo.

View this post on Instagram

❤🧡💛💚💙💜

A post shared by • 𝕭𝖆𝖇𝖊 𝕲𝖚é𝖑 (@aliceguel_) on

Erica Malunguinho
Educadora, artista plástica e política brasileira.

View this post on Instagram

⚱️🌿🏺

A post shared by Erica Malunguinho (@ericamalunguinho) on

Glamour Garcia
Atriz, formada em artes cênicas na Universidade Estadual de Londrina e em artes do corpo na PUC de São Paulo.

Amara Moira
Escritora, professora e doutora em crítica literária pela Unicamp.

View this post on Instagram

Uma pessoa séria não chamaria isso de guarda-chuva, uma pessoa séria talvez nem tivesse a coragem de andar com isso pra baixo e pra cima (sobretudo nesses chuvisqueiros diários de éssepê). Eu, por sorte, não sou uma pessoa séria, aí me divirto ostentando esse brinquedo e vendo a cara incrédula das pessoas diante dele. A @iam_yoshimitsuey, que o desdenhava com o apelido de Chuck Norris, teve que agradecer a ele por nos salvar (mais ou menos) da tempestade no Carnaval. Acho que vou esperar ele não conseguir parar em pé, antes de ir atrás de outro, porque a triste sina dos bons guarda-chuvas que eu compro é serem esquecidos… eu só não esqueço de trazer comigo esses que eu teria vergonha de esquecer na casa ou no carro de alguém! Mas não me levem tão a sério: tudo isso foi, na verdade, só pretexto pra mostrar minhas unhonas azuizinhas e que eu saí combinando vestido e guarda-chuva… 2020 vai ser diferente! 🎃🎃🎃

A post shared by Amara Moira (@amoiramara) on

Maria Clara Araújo
Pedagoga e afrotransfeminista.

Ventura Profana
Missionária e pastora das travestis.

View this post on Instagram

nanotecnologicamente vitoriosa.

A post shared by Pastora delas (@venturaprofana) on

MC Dellacroix
Multiartista e rapper.

Danna Lisboa
Cantora, compositora, dançarina, atriz e mulher trans arteira.

Castiel Vitorino Brasileiro
Mestranda em psicologia clínica na PUC-SP.

View this post on Instagram

ft @bichantirracista

A post shared by Castiel Vitorino Brasileiro (@castielvitorino) on

Leia também:

Linn da Quebrada e Jup falam sobre projetos pós-“Bixa Travesty” e a 2ª temporada de “TransMissão”