Assim como a música “Menino do Rio” foi escrita por Caetano Veloso em homenagem ao surfista José Arthur Machado, o Petit, a faixa “Leãozinho” , outro clássico da MPB, veio para fazer referência ao baixista Dadi Carvalho. A canção veio em 1977 para o álbum Bicho, da gravadora Polygram.

GAY BLOG BR by SCRUFF
leãozinho
Reprodução

Dadi Carvalho nasceu no Rio de Janeiro no dia 16 de agosto de 1952, sendo do signo de Leão, vindo daí a referência para a música de Veloso. Seu primeiro trabalho profissional veio em 1970 quando se tornou baixista da banda Novos Baiano, onde permaneceu por cinco anos. Em 75, gravou a música “Scarlet” com Mick Jagger, vocalista do Rolling Stone e de lá para cá já acompanhou diversos artistas famosos, como Marisa Monte, Rita Lee e Carlinhos Brown.

Leãozinho: conheça o homem do signo de leão que inspirou a música de Caetano Veloso
Reprodução

Em 2015, aos 62 anos, ele lançou sua biografia “Meu Caminho É Chão e Céu“, contando um pouco da sua trajetória, explicando quando ganhou o primeiro instrumento musical de seu pai e como ele acabou tendo uma carreira bem sucedida. No livro, ele é bem resumitivo para contar a história de “O Leãozinho”, dizendo apenas que Veloso o conheceu na época em que ele trabalhava para a Novos Baianos.

“O pessoal da editora até queria que eu escrevesse mais sobre isso, mas eu não tinha muito o que falar” – disse Carvalho para a Folha.

Veloso disse que o “Leãozinho” era o “leonino total, solar”, e que o conheceu ao ir no apartamento dos Novos Baianos em Botafogo.

“Dadi era talvez o único dos que estavam lá que eu não conhecia. Ele tinha 17 anos e era – como é até hoje – luminoso, claramente bom. Quando voltei ao Brasil definitivamente em 1972, o grupo já vivia num sítio em Vargem Grande. Dadi estava lá, com Leilinha, sua namorada (que é sua mulher até hoje, um casamento longevo como quase não há em nosso meio), transpirando virtudes espontâneas e beleza. Fiquei amigo desse casal, que, hoje com filhos e um neto, têm minha admiração pela sabedoria no desenvolvimento do amor. Dadi tinha se tornado um símbolo do novo com que sonhávamos então.”

Dadi e Caetano durante o ensaio para o filme “O Cinema Falado” de 1986 (Reprodução)

Quando questionado o porquê a MPB não explora a beleza dos homens e procura focar na beleza feminina, Veloso diz que é compreensível porque só os homens faziam as composições e que eles são oriundos da tradição poética trovadoresca e romântico

“Quando Dolores Duran escreveu o verso ‘Eu não seria esta mulher que chora’, os homens que cantavam “Castigo” diziam ‘Eu não seria esse ser que chora’ – o que fica bem menos bonito. Mas há o moreno de Assis Valente que ‘Fez Bobagem’; o outro, também dele, que saiu de “Camisa Listrada”; o “pedaço” de Ary Barroso que saiu de ‘Camisa Amarela’; o marido a quem Chico queria tratar ‘Com Açúcar, Com Afeto’ – e outras canções escritas por homens para serem cantadas por mulheres. Raramente surge um nome: só me lembro agora de ‘Frankie’, na versão brasileira gravada por Cely Campelo. Sou da geração que foi jovem nos anos 1960: convenções da tradição não são muito reverenciadas por nós.”

Menino do Rio: conheça o homem que inspirou a canção de Caetano Veloso e Baby do Brasil

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".