Entrevista | Aretuza Lovi: “2020 é um ano que mostrarei ao mundo a minha verdade”

Por telefone, Aretuza Lovi nos contou que chegando com ~força total~ neste 2020 com o single “I Love You Corote”. Depois do carnaval, virá um EP que, segundo ela, marcará uma nova fase de sua carreira.

Ao longo do nosso bate-papo, Aretuza fez questão de enfatizar que é apaixonada pela cultura do norte e nordeste e o quanto ela sentia falta de mostrar a própria verdade através de suas músicas. Por isso que o ano de 2019 foi um pouco mais “recluso” e, apesar dela não deixar de ter trabalhado, focou bastante nos estudos.

“Sempre procurei trazer brasilidades nas minhas músicas, mas dessa vez a brasilidade estará em um nível muito maior. Este EP é o mais ‘eu’ entre todos os trabalhos que já lancei” – contou.

O novo EP será dividido em duas partes e falará muito sobre amor, mas não apenas o “amor sofrência”, mas sim em suas mais diversas manifestações, incluindo o amor próprio e a parte mais feliz e positiva que esse sentimento leva as pessoas.

Seu mais novo clipe está disponível em seu canal oficial do YouTube. Também acesse seu canal no Spotify.

“Bebam com moderação e amem sem moderação” – avisa.

O clipe traz convidados especiais, como Wagner Santiago (BBB), Rafa Uccman, Lucas Guedes e o fenômeno do Tik Tok, Fernando Pagani, em pegada de forró com muita dança e referências às experiências de Aretuza.

Com três looks implacáveis, a artista conta com elementos coloridos, mas não deixa o glamour de lado, expressando a força e coragem da mulher brasileira.

1 – Queria saber mais detalhes da música “I Love You Corote”. Quais as ideias por trás do single? A letra fala sobre superação após uma desilusão amorosa…

R: É engraçado porque a ideia surgiu depois que eu estava saindo de um show da Pablo Vittar. Estava esperando o carro chegar e várias pessoas na rua estavam passando bebendo um Corote. Eu já tinha uma música que falava de bebida, que é Catuaba, mas o Corote ficou na minha cabeça “martelando” e daí comecei a construir uma história.

Praticamente todas as músicas que unem amor e bebida focam na sofrência. A nossa fala de desilusão, mas que apesar disso, a pessoa superou e está pronta para “partir para outra”. Algo como “sofri, estive na ‘bad’, mas agora vou gritar meu novo amor”. Compus essa música com a Keveny e com o Pablo Bispo.

Fizemos questão de trazer uma brasilidade bem “raíz” mesmo, quisemos manter a essência do forró e colocar um pouco do eletrônico e do pop. O ritmo é contagiante, alegre, que traz essa musicalidade do nordeste que é um povo muito feliz, alegre, de bem com a vida.

2 – Aproveitando esse gancho, você também diz que a cultura do forró é muito presente não só nessa música , mas que também é fundamental para você por ter despertado a sua vontade em ser artista e que será bem forte também para o EP que chegará depois do carnaval. Pode contar para nós o porquê o forró é tão importante para você?

R: Desde pequeno sempre escutei forró e era um ritmo que me contagiava. Na adolescência tive o privilégio de morar no Tocantins e tive contato maior com essa cultura. Comecei a conhecer as bandas e a me apaixonar, pois os shows são verdadeiros espetáculos. É muito alegórico, há “milhões” de trocas de roupas, “milhões” de bailarinos.

Com 16/17 anos acabei me mudando para o Pará e comecei a trabalhar nos bastidores das bandas de forró. Tudo isso [cultura do forró] é “muito Brasil” e me dá um “frisson” só de falar. Depois mudei para Recife e ainda trabalhando nos bastidores ficava pensando “Meu Deus, que incrível essa roupa”, “que incrível o jeito dessa cantora”. O público vibra, se diverte, se emociona também… era isso que eu queria para minha vida.

Quando surgiu a oportunidade de me tornar a Aretuza, por um certo momento tive que me moldar a padrões de um pop, pois era algo mais comercial. Mas pensei “não é bem isso que eu quero”.

Tudo que fiz até agora, por mais que eu tivesse que me adaptar a algo comercialmente viável para meu nicho, sempre introduzi as minhas brasilidades. Só que chegou um momento de deixar a minha verdade falar mais alto.

Cantar o que eu gosto é algo que me realiza muito mais hoje em dia. Não necessariamente o que as pessoas querem que eu cante ou algo que seja apenas comercial. Quero cantar o que  sinto prazer, o que é a minha verdade. E “I Love You Corote” é o “abre-alas” para isso.

2020 será uma mudança de foco na carreira de Aretuza Lovi. Foto: Divulgação
Foto: Ernna Cost

3 – Você disse em um post recente do  Instagram que falta muito pouco para as pessoas conhecerem a “Aretuza 2020” e pelo que você nos contou até agora, parece que virá uma nova fase da sua carreira que se diferencia bastante das anteriores. Pode dar mais detalhes para nós?

R: 2019 foi o ano fiz o lançamento de uma música, mas estava sentindo essa necessidade de “voltar as minhas raízes”. De estudar e buscar minha verdade. Então não deixei de trabalhar e nem fiquei “esquecida no churrasco”. Fui amadurecendo a forma de trabalhar a minha verdade e colocar “para fora” ela.

Não estou desmerecendo meus outros trabalhos, pois todos foram feitos com muito amor, mas chegou a hora de eu trabalhar com o que eu sou e o que eu vivi: música regional, música popular, MPB.

4 – Eu li que esse novo EP que você pretende lançar será dividido em duas partes. Você pode contar um pouquinho sobre isso?

R: A primeira parte vai ser lançada depois do carnaval, e a segunda ainda não tem data. Estamos “ajeitando” essa segunda parte. Posso dizer que, além de muita brasilidade, vai falar de amor, mas não só o amor sofrência como disse antes, mas sim suas mais diversas manifestações: amor-próprio, superação de amor e que o amor também pode ser cantado em músicas dançantes.

Foto: Divulgação
Foto: Ernna Cost

5 – No próximo dia 7 de fevereiro você fará uma apresentação na Gambiarra, em São Paulo. Veremos um pouco dessa nova Aretuza lá?

R: Claro! A gente já entra nessa fase em termos de estética. Montamos um repertório de carnaval, um esquenta pro bloco da Gambiarra. Não terá as músicas do EP, exceto a Corote, mas a gente já traz grandes referências do que será a Aretuza 2020. Só posso dizer que está muito legal o show.

6 – Para fechar, alguma mensagem para os leitores do Gay Blog Br?

R: Quero agradecer todo o carinho. Estou chegando nessa nova fase muito mais feliz e muito mais realizada. Foi feita com o melhor sentimento e vem um EP incrível. Espero que todo mundo dance muito, e que bebam com moderação, mas que amem sem moderação.

Foto: Divulgação
Foto: Ernna Cost
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek e agora está em busca de novos desafios. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".