Com 100 horas de programação e 1.741 minutos de exibição audiovisual, o 13° For Rainbow – Festival de Cinema e Cultura da Diversidade Sexual e de Gênero chega a seu último dia e divulga lista de vencedores.

GAY BLOG BR by SCRUFF

O cearense “O bando sagrado” ganha nas categorias “Melhor Curta Brasileiro” e “Melhor Montagem”; “Que os olhos ruins não te enxerguem” é eleito melhor longa brasileiro pelos júris Oficial e da Crítica. Cerimônia de premiação teve início às 19h desta quinta-feira (14/11), na Sala 02 do cinema do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (Fortaleza-CE).

13º For Rainbow foi realizado no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, em Fortaleza (CE). Foto: Érica Cândido / 13º For Rainbow
13º For Rainbow foi realizado no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, em Fortaleza (CE). Foto: Érica Cândido / 13º For Rainbow

O Júri Oficial, composto de cinco nomes de alto nível no cinema, escolhe os vencedores das 13 categorias do Troféu Elke Maravilha e do Prêmio João Nery. Este é um reconhecimento especial a produções que abordam a militância LGBT+, e o reflexo desse trabalho na vida das pessoas. Já o Júri da Crítica é composto por Camila Vieira, Daniel Herculano e João Gabriel Tréz, integrantes da Associação Cearense de Críticos de Cinema (Aceccine).

Júri da Crítica

“Que os olhos ruins não te enxerguem” (SP/Brasil): Melhor longa-metragem brasileiro.
“A felicidade delas” (SP/Brasil): Melhor curta-metragem brasileiro.

“O Longa foi escolhido pelo modo como apresenta uma pluralidade de personagens por raça, classe e gênero a partir de uma deriva pela cidade que transporta o público por um movimento de afirmação. O Curta pelo uso da fabulação em um contato de repressão e por ultrapassar o realismo para transbordar o desejo em liberdade”, defendem os críticos da Aceccine.

Júri Oficial

“O bando sagrado” (CE/Brasil): Melhor curta brasileiro.
“O bando sagrado” (CE/Brasil): Will Domingos – Melhor montagem.

“Que os olhos ruins não te enxerguem” (SP/Brasil): Melhor longa brasileiro.

“Depois também” (Espanha): Carla Simón – Melhor diretor/a.
“Depois também” (Espanha ): Berner Maynés – Melhor ator.

“Negrum3” (SP/Brasil): Melhor arte.
“Negrum3” (SP/Brasil): Melhor trilha sonora.

“Breve história do Planeta Verde” (Argentina): Melhor longa estrangeiro.
“Manicure” (Irã): Melhor curta estrangeiro.
“Marie” (PE/Brasil): Léo Tabosa – Melhor roteiro.
“Marco” (CE/Brasil): Ana Luiza Rios – Melhor atriz.
“A felicidade delas” (SP/Brasil): Julia Zakia – Melhor fotografia.
“Os Santos de Kiko” (França): Melhor desenho sonoro.

Prêmio João Nery: Madame: Camile Cabral – PB/Brasil.

“’Que os olhos ruins não te enxerguem’, um filme que é um autofalante para potencializar outras vozes, promovendo uma política da dissidência.
‘O bando sagrado’, pela abordagem com que o dispositivo relaciona inventivamente a intimidade e a experiência contemporânea da sexualidade.
‘Madame: Camile Cabral’, pelo registro incontornável do trabalho solidário e militante de Madame Cabral”, defendem os membros do Júri.

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

1 COMENTÁRIO