O artista brasiliense Gaê lança nesta quinta-feira, 7, o webdocumentário “Amor e o Tempo” que, com o apoio da ONG Eternamente Sou, traz entrevistas com LGBTs que contam sobre suas juventudes em um tempo em que a sexualidade não-normativa era ainda mais reprimida e o reflexo dessa época na vivência de seus afetos hoje em dia.

O filme abre uma janela para a sexualidade na terceira idade como uma realidade que também permite outras possibilidades no amor e no sexo para além da heterossexualidade.

“Por mais válida que seja a referência a qualquer assunto nas artes, precisamos ter o cuidado de garantir a representatividade nas pautas, dando espaço às pessoas que o vivenciam se expressem, se não na arte, pelo menos junto à arte. Nesse webdocumentário quis trazer para o tema um olhar não só romantizado na arte – porque sempre é ficcional – mas também um olhar mais documental da realidade dessas pessoas para ajudar a criar um panorama ainda mais diverso sobre o assunto”, conta Gaê.

Entre mulheres lésbicas e homens gays, o alinhavar dessas histórias revela contrastes e semelhanças que nos ajudam a pensar o futuro que estamos criando para jovens LGBT hoje e urgem para a importância de se conectar às gerações anteriores com a atual.

Recentemente, Gaê lançou Onde Está A Estrela?”, com participação do artista mineiro Bemti. O cantor também se apresenta no Festival de Músicos Pocs Brasileiros, no sábado, 16 de maio, às 16h.

Assista ao documentário “Amor e o Tempo”:

Ficha Técnica:
Elenco: Adelson Campos Moreira, Berthô Vidal, Celso Rabetti, Márcia Barros, Sueli de Souza, Valéria da Rocha.
Direção de Arte: Vinícius Martini, Seven Studio Company.
Montagem: Moema Miranda.
Apoio: ONG Eternamente Sou.

Festival de Músicos Pocs Brasileiros (MPB)

Sobre a ONG Eternamente Sou:
É uma associação sem fins lucrativos que iniciou os trabalhos em 2017 com o objetivo de atuar em prol das pessoas idosas LGBT. Através da implantação de serviços e projetos voltados ao atendimento psicossocial à esta população. Considerando o preconceito, intolerância e a invisibilidade sofrida por esse público, desenvolvemos um trabalho integrado e multidisciplinar com um grupo de voluntários de modo a favorecer a inclusão social, protagonismo, proporcionando uma velhice digna e ativa, além da garantia de direitos humanos e promoção da cidadania LGBT. Por meio de projetos que promovem a integração social, atendimento psicológico e jurídico, oficina de canto coral, sensibilizações em empresas e eventos que favoreçam a construção de políticas públicas e consciência social sobre a causa das velhices LGBT,  a ETERNAMENTESOU mobiliza parceiros para a integridade da Velhice LGBT. Conheça mais em: https://eternamentesou.org/.