GAY BLOG BR by SCRUFF

O professor de letras Maurício da Silva, da Universidade Federal Fluminense, viu na rede social TikTok uma oportunidade grande de expandir os seus conhecimentos sobre a língua portuguesa. Com dicas humoradas, Silva usa analogias a LGBT+, recursos de realidade virtual da plataforma e memes como “Língua portuguesa check” e “challenges”.

A CRASE É LÉSBICA

“A crase é lésbica, só gosta de menina. Mas além de lésbica, ela é exclusivista e monogâmica. Se tiver algum elemento perto da menina que ela está afim, ela não se marca com acento grave não“, diz o professor.

Ele ainda exemplifica com algumas frases:

  • “‘Comparecerei a esta reunião’ – não me marca com acento grave aí não, a mina ‘reunião’ já está acompanhada pelo ‘esta'”.
  • “‘Fez jus a uma recompensa’ – não me marca com acento grave aí não, a mina ‘recompensa’ já está acompanhada pelo ‘uma'”.
  • “‘Chegaram a alguma conclusão?’ – não me marca com acento grave aí não, a mina ‘conclusão’ já está acompanhada pelo ‘alguma’, só faço crase com meninas desacompanhadas. Sou a crase, lésbica, monogâmica e ciumenta.
@maumau0333

A crase é lésbica

♬ som original – Maurício da Silva

Em outro vídeo, ele continua a explicação com sua lógica:

  • “‘Prefiro carne a peixe’ – esse ‘a’ aí não vai levar acento grave, porque ‘peixe’ é menino. E a crase é lésbica e monogâmica, só gosta de menina desacompanhada”.
  • “‘Prefiro amar a a ficar sozinho’ – esse ‘a’ aí não vai levar acento grave, porque ‘ficar’ é um verbo e não tem sexo. E a crase só gosta de menina desacompanhada. Ela é lésbica, monogâmica.”
  • “‘Prefiro esse girassol a essa rosa’ – esse ‘a’ também não vai levar acento grave, porque apesar de rosa ser menina, ela está acompanhada pelo ‘essa’. E a crase só gosta de meninas desacompanhadas”. 
  • “‘Prefiro livro à televisão’ – molinho. Menina desacompanhada: crase!”.
@maumau0333

crase

♬ som original – Maurício da Silva

Um de seus seguidores teve uma dúvida quanto outro uso de crase:

  • “‘Ele joga à Gabigol’ – Gabigol é menina? Você não falou que a crase era lésbica? Sim, é que neste caso, quando você coloca o acento grave antes de masculina, quer dizer: ‘Ele joga à (moda de) Gabigol’, ‘Ele escreve à (maneira de) Machado de Assis’. A menina que a crase gosta, está ali: ‘moda’, ‘maneira’; mesmo que ela esteja escondida”.

HÍFEN É HOMOFÓBICO 

Outra analogia humorada que o professor faz, é dizer que o hífen é homofóbico pois “separa iguais”:

  • “Quando o final do prefixo é igual ao início da palavra, o acordo ortográfico propôe que nós usemos o hífen, aquele tracinho no meio do prefixo e da palavra. Aí disse para o aluno, para ele guardar, que o hífen é homofóbico porque separa os iguais. Numa aula, eu escrevi quatro palavras todas juntas, sem hífen, no quadro: contraalmirante, sobreerguer, antiinflamatório, autoescola. Meus alunos não aceitaram ver os iguais juntos e pediram para mim: ‘Coloca tracinho ali no contra-almirante, sobre-erguer, anti-inflamatório…’. Na ‘autoescola’ pode deixar (sem hífen)”.
@maumau0333

o hífen separa os iguais

♬ som original – Maurício da Silva

Para acompanhar o professor Maurício da Silva no TikTok: @maumau033

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.