GAY BLOG BR by SCRUFF

O professor de letras Maurício da Silva, da Universidade Federal Fluminense, viu na rede social TikTok uma oportunidade grande de expandir os seus conhecimentos sobre a língua portuguesa. Com dicas humoradas, Silva usa analogias a LGBT+, recursos de realidade virtual da plataforma e memes como “Língua portuguesa check” e “challenges”.

A CRASE É LÉSBICA

“A crase é lésbica, só gosta de menina. Mas além de lésbica, ela é exclusivista e monogâmica. Se tiver algum elemento perto da menina que ela está afim, ela não se marca com acento grave não“, diz o professor.

Ele ainda exemplifica com algumas frases:

  • “‘Comparecerei a esta reunião’ – não me marca com acento grave aí não, a mina ‘reunião’ já está acompanhada pelo ‘esta'”.
  • “‘Fez jus a uma recompensa’ – não me marca com acento grave aí não, a mina ‘recompensa’ já está acompanhada pelo ‘uma'”.
  • “‘Chegaram a alguma conclusão?’ – não me marca com acento grave aí não, a mina ‘conclusão’ já está acompanhada pelo ‘alguma’, só faço crase com meninas desacompanhadas. Sou a crase, lésbica, monogâmica e ciumenta.
@maumau0333

A crase é lésbica

♬ som original – Maurício da Silva

Em outro vídeo, ele continua a explicação com sua lógica:

  • “‘Prefiro carne a peixe’ – esse ‘a’ aí não vai levar acento grave, porque ‘peixe’ é menino. E a crase é lésbica e monogâmica, só gosta de menina desacompanhada”.
  • “‘Prefiro amar a a ficar sozinho’ – esse ‘a’ aí não vai levar acento grave, porque ‘ficar’ é um verbo e não tem sexo. E a crase só gosta de menina desacompanhada. Ela é lésbica, monogâmica.”
  • “‘Prefiro esse girassol a essa rosa’ – esse ‘a’ também não vai levar acento grave, porque apesar de rosa ser menina, ela está acompanhada pelo ‘essa’. E a crase só gosta de meninas desacompanhadas”. 
  • “‘Prefiro livro à televisão’ – molinho. Menina desacompanhada: crase!”.
@maumau0333

crase

♬ som original – Maurício da Silva

Um de seus seguidores teve uma dúvida quanto outro uso de crase:

  • “‘Ele joga à Gabigol’ – Gabigol é menina? Você não falou que a crase era lésbica? Sim, é que neste caso, quando você coloca o acento grave antes de masculina, quer dizer: ‘Ele joga à (moda de) Gabigol’, ‘Ele escreve à (maneira de) Machado de Assis’. A menina que a crase gosta, está ali: ‘moda’, ‘maneira’; mesmo que ela esteja escondida”.

HÍFEN É HOMOFÓBICO 

Outra analogia humorada que o professor faz, é dizer que o hífen é homofóbico pois “separa iguais”:

  • “Quando o final do prefixo é igual ao início da palavra, o acordo ortográfico propôe que nós usemos o hífen, aquele tracinho no meio do prefixo e da palavra. Aí disse para o aluno, para ele guardar, que o hífen é homofóbico porque separa os iguais. Numa aula, eu escrevi quatro palavras todas juntas, sem hífen, no quadro: contraalmirante, sobreerguer, antiinflamatório, autoescola. Meus alunos não aceitaram ver os iguais juntos e pediram para mim: ‘Coloca tracinho ali no contra-almirante, sobre-erguer, anti-inflamatório…’. Na ‘autoescola’ pode deixar (sem hífen)”.
@maumau0333

o hífen separa os iguais

♬ som original – Maurício da Silva

Para acompanhar o professor Maurício da Silva no TikTok: @maumau033

Junte-se à nossa comunidade

Mais de 20 milhões de homens gays e bissexuais no mundo inteiro usam o aplicativo SCRUFF para fazer amizades e marcar encontros. Saiba quais são melhores festas, festivais eventos e paradas LGBTQIA+ na aba "Explorar" do app. Seja um embaixador do SCRUFF Venture e ajude com dicas os visitantes da sua cidade. E sim, desfrute de mais de 30 recursos extras com o SCRUFF Pro. Faça download gratuito do SCRUFF aqui.