De acordo com o Fefito em sua coluna no TV e Famosos do UOL, o comentarista Leandro Narloch foi demitido da CNN Brasil na tarde desta sexta-feira, dia 10 de julho. O contrato foi rescindido unilateralmente.

Os comentários de Narloch geraram grande repercussão negativa no último dia 8 de julho ao dizer que os homens gays “têm uma chance muito maior de ter AIDS”, contrariando os dados do Ministério da Saúde que aponta que 57,74% dos brasileiros que contraem HIV através do sexo são os héteros. Além disso, sua fala também gerou polêmica ao dizer “opção sexual“, nomenclatura considerada incorreta, já que o certo é “orientação sexual“.

Reprodução

“A mudança na verdade é pequena, ela vai restringir mais a conduta e não o tipo de pessoa, a opção sexual (sic) do indivíduo. Toda essa polêmica começou porque, não há dúvida disso, os gays, os homens gays, eles têm uma chance muito maior de ter Aids, né? Em 2018, uma pesquisa mostrou que 25% dos gays de São Paulo eram portadores de HIV. Mesmo que esse número seja exagerado, e de fato ele parece mesmo exagerado, o fato é que é dezenas de vezes maior a chance [do homossexual ter HIV] do que na população em geral. A questão é que outros critérios para exclusão já restringem os gays que têm comportamento promíscuo, né?”

hoje de manhã, Narloch tentou se explicar no Twitter, mas acabou rendendo mais polêmica ainda, endossando o discurso de que a prevalência do HIV é mais alta entre os gays e também por dizer que acredita que existam pessoas que optam em seres gays ou lésbicas.

“Alguns reclamaram do termo ‘opção’ e não ‘orientação sexual’. Aí discordo. Acho que existem as duas coisas: gays e lésbicas que o são por orientação e outros que optaram. Mas não tenho certeza sobre isso, é uma boa discussão para o futuro”.

57,74% dos brasileiros que contraíram HIV através de sexo são heterossexuais

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".