Em depoimento para a startup TodxsNeimar Kiga, índio gay de 23 anos oriundo dos indígenas Boe e membro do coletivo Tibira — Indígenas LGBTQI+, versa sobre a necessidade de romper com a condição de invisibilidade das questões de gênero e sexualidade entre os povos originários.

Além de liderar o movimento Indígenas LGBTQI+, Kiga hoje está graduado pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e cursa mestrado no Programa de Pós Graduação em Antropologia Social (PPGAS) pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Segundo ele, a homossexualidade é vista de modo negativo pelo povo Boe devido a forte influência da ideologia cristã, algo que não existia durante o período pré-colonial.

"Os indígenas passaram a ver a homossexualidade como algo negativo após a influência cristã"
Neimar Kiga, indígena do povo Boe e membro do coletivo Tibira — Indígenas LGBTQI+ (Reprodução)

Até então, era aceitável que as pessoas transitassem em diversos espaços e prática de gênero, havendo relatos de pessoas trans dentro da tribo, sendo estas aceitas pela comunidade.

É preciso descolonizar os sentidos e as experiências de gênero e sexualidade, desprender-se dos padrões ocidentais e avançar na afirmação das nossas identidades. É preciso desconstruir a visão estereotipada/caricata sobre o ser “indígena”, como vemos nos filmes, novelas, literaturas e em como aprendemos em nossas formações. O gênero e a sexualidade dissidente sempre existiram entre várias comunidades tradicionais, e precisamos romper com a condição de invisibilidade, conhecer, entender e, acima de tudo, respeitar.

O cientista social Estevão Rafael Fernandes fez uma extensa pesquisa sobre a homossexualidade indígena no Brasil e comparou com os Estados Unidos. Por lá, era comum que diversas tribos chamassem os homossexuais de “two-spirit” (dois espíritos), e eles eram vistos como xamãs, líderes e embaixadores em potencial, pois tendo os dois espíritos (de homem e de mulher), eles operam como intermediadores entre diferentes universos: espiritual e terreno, indígena e não indígena, masculino e feminino, entre outros.
.
Neimar Kiga, indígena do povo Boe e membro do coletivo Tibira — Indígenas LGBTQI+ (Reprodução)
Neimar Kiga (Reprodução/Instagram)
Confira o depoimento completo:

Poderia resumir a minha trajetória de vida pela ousadia em mostrar a conquista de um espaço que eu nunca imaginaria que pudesse ocupar. Meu lugar, lugar de fala, de onde só ouvia e agora posso falar. Dei vez a minha voz e ela ecoará cada vez mais como o som de uma gralha azul.

Em uma sociedade construída por diversas diferenças, a desigualdade social é ainda um grande problema a ser enfrentado. Quando se carrega os marcadores sociais por ser indígena, aldeado, pobre, homossexual e fora dos padrões normativos construídos pela sociedade com ideologia ocidental e cristã, a indiferença pela diferença é visível.

Do vermelho do urucum, tiro a força ancestral de quem um dia existiu e resistiu para que eu pudesse hoje estar expressando por meio de palavras meus sentimentos e brevemente a minha vida. Sentimentos que por muito tempo foram de tristeza, incerteza e dor.

Hoje, com 23 anos, Designer, graduado pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e mestrando no Programa de Pós Graduação em Antropologia Social (PPGAS) pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), o sentimento em relação a minha identidade é outro. É de felicidade, certeza, realização e empoderamento.

Porém, para que esse lugar fosse ocupado e para que esses sentimentos fossem mudados, foi um caminho de muitas entradas, onde tive que me situar e ver qual estrada seguir. Todas com suas particularidades, momentos de tristeza, solidão e angústia ou alegria, companhias e realizações. Para que eu pudesse ocupar cada vez mais esses espaços com o meu corpo e agora ter esse poder, uma palavra que define muito bem todo esse processo é “força”.

Mas eu gostaria de aproveitar justamente meu lugar de fala, minha experiência, para contar um pouco sobre a questão da sexualidade no povo Boe, o qual pertenço. Atualmente, indígenas homossexuais das aldeias Boe são vistos, na maioria das vezes, como referências negativas. O preconceito é um grande problema enfrentado por todos, sobretudo a não aceitação da família ou pessoas da comunidade, pelo fato de terem uma ideologia totalmente religiosa cristã. Muitas vezes, é grande a falta de respeito conosco, nos trazendo várias consequências. A desvalorização também é muito grande. Muitos nos tratam como se não fôssemos pertencentes à espécie humana. Digo isso, por ser indígena, homossexual e ter relação direta com a aldeia.

Em sua pesquisa sobre a homossexualidade indígena no Brasil, a partir de uma perspectiva comparada com os Estados Unidos, o cientista social Estevão Rafael Fernandes escreveu sobre o chamado two-spirit:

“Esse movimento vem buscando recuperar o papel xamânico que indivíduos com dois espíritos (de homem e de mulher, daí o nome do movimento: two-spirit) tradicionalmente ocupavam em suas culturas. Segundo ativistas e intelectuais two-spirit, eles seriam xamãs, líderes e embaixadores em potencial, pois, tendo os dois espíritos, operariam como intermediadores entre diferentes universos: espiritual e terreno, indígena e não indígena, masculino e feminino, etc.”

Na cultura do povo Boe, isso não era tão diferente. No passado, era aceitável que as pessoas transitassem em diversos espaços e práticas (performances) de gênero. Há relatos de conhecedores da cultura tradicional, a existência entre os Boe de pessoas transgêneros, que transitavam entre os espaços masculinos (como poder ver o aije: espíritos, junto aos homens, cujo mulheres não vêem) e femininos (possibilidade de cantar o canto que somente as mulheres cantavam). Essas pessoas eram aceitas pela comunidade, não havendo naquele período a discriminação, que só foi surgir após o processo colonizador. Infelizmente, isso mudou e hoje somos enxergades de forma pejorativa.

A aldeia Meruri, município de General Carneiro no Mato Grosso, onde nasci e fui criado, é um local com eventual acesso de não indígenas. Essas pessoas chegam e têm o interesse de se caracterizar com os elementos do povo Boe. Uma das formas de ornamentação, mais rápida, fácil e representativa, é o grafismo. E, na maioria das vezes, os jovens homossexuais são convidados a ajudar nessa prática, por serem vistos como “artistas”. Esses jovens sabem da importância em contribuir com a cultura e o fazem de forma positiva para que ela, a cultura, tenha continuidade. Contribuem como “levantes” da cultura. A graduação em Design me possibilita observar a habilidades desses jovens na produção e confecção dos grafismos.

Gênero e Sexualidade na cultura tradicional indígena

As definições de Gênero e Sexualidade dissidentes (não normativa) em contexto originário/tradicional são construídas a partir de experiências próprias. Isto é, pela junção do modo de ser e viver “indígenas” (visto que cada etnia possui suas especificidades) articuladas às relações dos afetos e desejos, como também, nas performances de gênero. Cada povo possui formas próprias de vivenciar e interpretar o que chamamos na lógica não indígena de homossexualidade, bissexualidade, travestilidade e/ou transgeneridade, além de nomenclaturas próprias.

Como exemplo, no povo Boe há diversas expressões utilizadas para designar sexualidade e gênero: Pobogo, Atubo, Biaraka, Imedu/aredu e Aredu/imedu são algumas delas, mesmo que sejam utilizadas de forma pejorativa e ofensiva na maioria das vezes.

Pobogo significa veado campeiro. Há relatos de que já existiam entre os Boe o que chamamos atualmente de homossexuais. Quando avistaram o veado campeiro pela primeira vez e não souberam sua sexualidade, os nomearam de Pobogo. Atubo é o veado galheiro, que tem o porte maior que o veado campeiro e é usado para pessoas homossexuais que tem uma estatura maior. Imedu é homem e Aredu é mulher. Imedu/aredu seria Homem/mulher e Aredu/imedu é Mulher/homem, que se referem às pessoas que não seguem o binarismo de gênero.

É preciso descolonizar os sentidos e as experiências de gênero e sexualidade, desprender-se dos padrões ocidentais e avançar na afirmação das nossas identidades. É preciso desconstruir a visão estereotipada/caricata sobre o ser “indígena”, como vemos nos filmes, novelas, literaturas e em como aprendemos em nossas formações. O gênero e a sexualidade dissidente sempre existiram entre várias comunidades tradicionais, e precisamos romper com a condição de invisibilidade, conhecer, entender e, acima de tudo, respeitar.

Relações homoafetivas entre índios eram comuns antes da colonização

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".