Parada Preta acontece no feriado com show de Rico Dalasam

Idealizada pelo Coletivo Amem, a Parada Preta teve sua primeira edição em junho de 2017 com o intuito de criar novas narrativas na semana da Parada SP

A segunda edição da Parada Preta vai acontecer na quinta feira da semana do Orgulho LGBTI de São Paulo, às 21h. O Coletivo Amem realiza a programação com shows, debates, performances e discotecagens de artistas negras LGBTQIA+ tendo como tema a frase “NossaParadaÉOutra”. O rapper Rico Dalasam é uma das atrações confirmadas.

Idealizada pelo Coletivo Amem, a Parada Preta – (Black Pride) teve sua primeira edição em junho de 2017 com o intuito de criar novas narrativas dentro da semana do “Orgulho LGBTI” em busca de atender as necessidades da comunidade negra LGBTQIA+, o evento concentra seus esforços na criação de espaços e visibilidade para as demandas específicas que atingem a população negra e periférica com o enfoque em saúde e bem estar e através da celebração discutir a diversidade de raça classe, gênero, sexualidade, soropositividade e outros temas.

Parada Preta
Parada Preta acontece dia 20 de junho em São Paulo

///Programação
🏳‍🌈Mesa: Lutas, Conquistas e Demandas da comunidade negra LGBTQIA+
Erica Malunguinho
Aretha Sadick
Micaela Cyrino

🏳‍🌈Show
Rico Dalasam

🏳‍🌈Drag Performance
Danny Cowlt

🏳‍🌈Djs
Luana Hansen
EVEHIVE
Kiara
Ana Giselle

🏳‍🌈Realização
Coletivo Amem

SERVIÇO

PARADA PRETA @ Z – Largo da Batata
Quinta-feira, 20 de junho, às 21h30

Av. Brigadeiro Faria Lima, 724 – Pinheiros – São Paulo/SP
Fone: (11) 2936-0934
Chapelaria: R$4,00
Capacidade: 250 pessoas
Possui área de fumantes e acesso a pessoas com deficiência.
Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/609632056185477/

Antecipado – R$20,00
Porta – R$25,00

LISTA TRANS: Pessoas trans são VIP* (não pagam entrada). Para colocar seu nome na lista, por favor, contate Ledah Martins (https://www.facebook.com/djledah) por inbox até 12h no dia do evento.
*o número de cortesias disponibilizadas está relacionada a capacidade da casa.

VENDAS:
Online – https://www.ingresse.com/paradapreta-ingressos-z
Bilheteria do Cine Joia – Praça Carlos Gomes, 82 (seg a sex | 10h às 14h e 15h às 18h).
CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 18 anos

SOBRE

Rico Dalasam
Desafiou a noção de normalidade na música e nas questões de gênero, inaugurando a cena queer rap do Brasil aos 25 anos de idade no fim de 2014, após já ter trabalhado como cabeleireiro e editor de moda, ingressou no rap nacional, tornando-se uma das principais apostas da música nacional contemporânea. Lançou em 2015, seu primeiro trabalho o EP Modo Diverso, reunindo 6 músicas autorais que narram suas experiências de vida enquanto jovem, negro e gay, morador da periferia da Grande São Paulo. Rico percorreu um longo caminho, construí-o novas narrativas até lançar seu primeiro álbum Orgunga, onde conta seus melhores orgulhos. Lançou em julho de 2017 seu novo Ep “Balanga Raba” e escolhei a faixa Fogo em Mim para um clipe, que alcança mais de 2 milhões de visualizações. Rico encerrou a turnê de Balanga Raba no fim de 2017 e iniciou o projeto Elefantes -Mantras e Trava-línguas onde explora novas sonoridades com sua habilidade em rimas e poesia com músicas já conhecidas pelo público e ao mesmo tempo experimenta novas sonoridades , para seu próximo trabalho que caminha na contra – mão de tudo já criado em seu processo musical que inclui um álbum e um livro de poesias .

Coletivo Amem
O Coletivo Amem é formado por artistas, ativistas e intelectuais negras e negros LGBTQIA+ que se surge em 2017 à partir de encontros da Festa Amem e desde então realizam rodas de conversa, performances, Balls (eventos de Vogue/Ballroom) e outras ações que estimulam o desenvolvimento cognitivo dos indivíduos e a construção de redes de afeto em busca de provocar, causar, instigar e fazer pensar o mundo a partir de uma nova perspectiva enfrentando o racismo estrutural e seus impactos sociais.  Através de estímulos positivos, as ações do coletivo fomentam o processo de formação sensibilizando e mobilizando núcleos transformadores e de difusão do conteúdo relacionado às políticas afirmativas, para divulgação, estratégias de trabalho e reconhecimento das múltiplas formas de manifestação intelectual para a promoção do debate interseccional abordando raça, classe, gênero, sexualidade, AIDS e saúde da população negra.

Festa Amem
A Festa Amem, eleita como a melhor festa de 2017 pelo Guia da Folha, surge em 2016 a partir a urgência de criar espaços de acolhimentos, diálogos e trocas entre grupos de pessoas interessadas em discutir e promover mudanças sociais através da arte. Com a proposta de criar protagonismos, dar voz e visibilidade para a comunidade negra LGBTQIA+, a festa propõe um espaço inclusivo, onde a arte negra é pensada como linguagem de expressão e tradução de conhecimentos.