GAY BLOG BR by SCRUFF

This article is also available in: English Español

Games de conteúdo explicitamente sexual estão ganhando força com a temática LGBTQIA+. Quem percebeu isso foi Mark Hill, autor de um artigo sobre o tema na revista americana Wired.

“Sexo faz parte do jogo desde o início – proprietários de Atari 2600 podiam comprar Custer’s Revenge, uma fantasia de estupro fortemente criticada que vendeu 80.000 cópias – mas durante a maior parte da história do meio, qualquer sexualidade foi dirigida a homens brancos heterossexuais com toda a sutileza de um marreta com tesão. Foi visto como um sinal de maturidade para a franquia God of War quando sua edição de 2018 abandonou totalmente o assunto em vez de retornar aos minijogos “Aqui estão alguns peitos, seu rube” de entradas anteriores. Os jogos indie, e os desenvolvedores LGBTQ+ em particular, estão preenchendo esse vácuo”, escreve Hill.

Reprodução de “Dream Daddy”

“Dream Daddy”, continua Hill, “lançado em 2017 e estrelado por um pai solteiro procurando namorar outros pais solteiros, apresentado em um vídeo Markiplier com 6,8 milhões de visualizações, um sinal de que os jogos de romance amigável LGBTQ + estavam começando a se popularizar. Enquanto isso, listas estreitas das cenas de sexo “mais escaldantes” dos games revelam sem querer o triste estado dos títulos de grande orçamento, repetindo jogos antigos como Mass Effect e The Witcher. Nem todo jogo precisa de sexo, mas para um assunto que é fundamental para a experiência humana, os jogos convencionais ficam bem atrás de outras mídias ao retratá-lo de forma séria e confiável”.

Reprodução de “Hardcoded”

Segundo Hill, Hardcoded, que foi lançado em 2018, mas ainda está recebendo atualizações regulares, é um romance visual de mundo aberto estrelado por um elenco de mulheres trans. “Não é exatamente sutil – uma epidemia misteriosa deixou todo mundo incrivelmente excitado, e algumas de suas muitas cenas de sexo se transformaram em um território de ficção científica exagerado. Mas funciona porque é sincero, tanto no desenvolvimento de seus personagens quanto, como os escritores trans apontaram, em seu erotismo”.

Dream Daddy, embora não fosse de um grande estúdio, foi financiado pelos gigantes do YouTube, Game Grumps. Foi elogiado por seu tom envolvente e por dar atenção ao mainstream de uma narrativa queer, mas também foi criticado por não se envolver com a cultura gay ou usar uma linguagem queer. Isso não quer dizer que não foi agradável, mas os críticos perceberam que um jogo sobre a cena de namoro gay não foi feito por gays. Uma boa representação precisa de autenticidade, e Conway observou que os jogos independentes são liberados das demandas do mercado e dos comitês de design que podem comprometer a precisão.

“A representação de personagens queer nos videogames convencionais não é ótima, embora esteja melhorando”, disse Conway. “Então, as pessoas queer descobrem que desejam maneiras de contar suas próprias histórias e representar suas identidades, e muitas vezes acabam criando jogos para isso.

This article is also available in: English Español

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista pela Universidade Federal de MS, foi repórter de economia e hoje, além de colaborar para o Gay Blog Br, é servidor público em Joinville (SC). Escreveu ''A Supremacia do Abandono'', livro disponível em amazon.com.br.