GAY BLOG BR by SCRUFF

This article is also available in: Español

Em resposta ao veto do comercial do Banco do Brasil, o Governo da Bahia divulgou, no último dia 09, uma peça institucional acolhendo a diversidade, intitulada “Aqui é Bahia, aqui é respeito”. Assista:

O vídeo do Governo da Bahia contrapõe a censura à propaganda de 30 segundos do Banco do Brasil, que incentivava jovens a abrir conta. Delano Valentim, diretor de Marketing do Banco do Brasil, foi convidado deixar o cargo.

O vídeo censurado:

Burger King recruta elenco vetado na propaganda do Banco do Brasil

Através dos stories no Instagram e de um vídeo, o Burger King anunciou que está recrutando pessoas que tenham o perfil semelhante aos que estavam na propaganda do Banco do Brasil, cuja veiculação foi censurada por Bolsonaro.

“Procura-se elenco para comercial. O Burger King está recrutando pessoas para seu novo comercial. Para participar, basta se encaixar nos seguintes requisitos: ter participado de um comercial de banco que tenha sido vetado e censurado nas últimas semanas. Pode ser homem, mulher, negro, branco, gay, hétero, trans, jovem, idoso. Curtir fazer selfie é opcional. O objetivo da marca – que não tem qualquer envolvimento político – é mostrar que no Burger King todo mundo é bem-vindo. Sempre. Para participar, basta entrar em contato via email: recrutafilme@burgerking.com.br“, diz o comunicado.

Governo responderá por censura, racismo e homofobia por vetar propaganda do BB

Governo federal responderá por censura, racismo e homofobia

Ministério Público Federal do Rio Grande do Sul ajuizou ação civil pública contra a União por “ilegal veto (censura) imposto à peça publicitária do Banco do Brasil.

Segundo apurou a revista Exame, a ação pede à Justiça que a exibição da propaganda seja retomada, conforme contratação original da mídia, e que a União pague, por dano moral coletivo, indenização de R$ 51 milhões, o equivalente a três vezes o custo do anúncio e sua veiculação. O “montante deverá ser aplicado em campanha de conscientização de enfrentamento ao racismo e à homofobia”, diz a ação assinada pelo procurador da República Enrico Rodrigues de Freitas.

O MPF do Rio Grande do Sul alega que a proibição da propaganda viola a Lei das Estatais (Lei 13.303/2016), que proíbe a redução ou a supressão da autonomia conferida pela lei específica que autorizou a criação da entidade supervisionada ou da autonomia inerente a sua natureza, bem como a ingerência do supervisor em sua administração e funcionamento, devendo a supervisão ser exercida nos limites da legislação aplicável.

A ação também acusa a União de “ofender a Constituição da República, que veda o preconceito com base em raça e com base no sexo do indivíduo (art. 3º, inciso IV), o que inclui o preconceito denominado de LGBTQfobia, bem como qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais.

Publicitário Zé Boralli ofende nordestinos e esquece que seu chefe é baiano

This article is also available in: Español

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

1 COMENTÁRIO