GAY BLOG BR by SCRUFF

This article is also available in: English Español

O Estado de S. Paulo informou que o ministro da Educação, Milton Ribeiro, pediu desculpas, em depoimento à Polícia Federal, na última quinta-feira (25), sobre as declarações feitas em entrevista ao jornal, em que afirmou que o “homossexualismo (sic)” é “fruto de famílias desajustadas”. 

O ministro disse aos investigadores que não quis “desrespeitar ninguém” com a fala e afirmou que, na sua visão, “a família dos gays são famílias como a sua”, diz o Estadão.

Conforme apuração do jornal, a próxima etapa do caso deve ser um pedido do relator, ministro Dias Toffoli, para que a Procuradoria-Geral da República (PGR) envie uma nova manifestação e esclareça se quer insistir na abertura de um inquérito.

Milton Ribeiro/ Reprodução

Segundo o termo de declarações da PF, informa o Estadão, Milton Ribeiro respondeu no depoimento “que na sua percepção a família dos gays são famílias como a sua, que (ele) respeita e acolhe a orientação de cada um, que sua prática é a aceitação”. O ministro disse que “não acredita em intolerância” e que “vivemos em um país democrático e que as pessoas podem ter qualquer orientação e respeita todas”.

Rejeição a acordo

Em novembro do ano passado, o ministro da Educação rejeitou o acordo oferecido pela Procuradoria-Geral da República (PGR) que poderia livrá-lo da abertura de inquérito por homofobia no Supremo Tribunal Federal (STF).

Em manifestação enviada ao STF, Ribeiro comunicou oficialmente que recusa a proposta de acordo e pede o arquivamento do caso. O ministro também reiterou “o seu mais firme pedido de desculpas, já formulado publicamente, a toda e qualquer pessoa que tenha se sentido ofendida pelas palavras proferidas”.

A admissão de que o ministro cometeu crime de ato preconceituoso contra homossexuais poderia ser interpretada como um sinal contraditório do próprio governo Bolsonaro, que tenta no STF justamente “relativizar” o conceito de homofobia.

Perfil

Milton Ribeiro é o quarto ocupante da pasta da Educação do governo Bolsonaro. O pastor da Igreja Presbiteriana foi nomeado em abril do ano passado, após Carlos Alberto Decotelli, que não chegou a assumir devido à repercussão de uma série de informações falsas descobertas em seu currículo.

Anteriormente, a pasta estava ocupada por Abraham Weintraub, que acabou saindo em meio a tensões com o Supremo Tribunal Federal, após ser gravado se referindo aos ministros do STF como vagabundos.

O primeiro ministro foi Ricardo Vélez Rodríguez, que abandonou o cargo em abril após uma gestão marcada por crises e polêmicas, como exemplo, a intenção de mudar a forma como o golpe de 1964 e a ditadura militar eram retratados nos livros didáticos.

This article is also available in: English Español

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista pela Universidade Federal de MS, foi repórter de economia e hoje, além de colaborar para o Gay Blog Br, é servidor público em Joinville (SC). Escreveu ''A Supremacia do Abandono'', livro disponível em amazon.com.br.