Bolsonaro critica questão do ENEM que cita pajubá como dialeto: ‘nada a ver’

As questões do primeiro dia de provas abordaram atualidades e interpretação de texto

Em participação no programa de José Luiz Datena, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) criticou a questão da prova do Enem que tratava do “dialeto secreto” usado por gays e travestis, o pajubá. Ainda afirmou que, em sua gestão, o Ministério da Educação “não tratará de assuntos dessa forma”.

Questão do Enem abordou 'dialeto secreto dos gays e travestis'. (Foto: Reprodução)
Questão do Enem abordou ‘dialeto secreto dos gays e travestis’. (Foto: Reprodução)

“Uma questão de prova que entra na dialética, na linguagem secreta de travesti, não tem nada a ver, não mede conhecimento nenhum. A não ser obrigar para que no futuro a garotada se interesse mais por esse assunto. Temos que fazer com que o Enem cobre conhecimentos úteis”, disse o capitão reformado em entrevista ao vivo ao apresentador no Brasil Urgente, da Band.

Bolsonaro negou que pretenda acabar com o exame, mas disse que seu governo não vai “ficar divagando sobre questões menores”. “Ninguém quer acabar com o Enem, mas tem que cobrar ali o que realmente tem a ver com a história e cultura do Brasil, não com uma questão específica LGBT. Parece que há uma supervalorização de quem nasceu assim”, afirmou.

A questão à qual Bolsonaro se refere está no caderno de linguagens. Nela, o teste mostrou um texto sobre “pajubá, o dialeto secreto dos gays e travestis” e questionava o candidato quanto aos motivos que faziam a linguagem se caracterizar como “elemento de patrimônio linguístico”.

A questão, no entanto, não exigia conhecimentos específicos sobre pajubá, apenas tinha foco na diferenciação de dialeto enquanto elemento linguístico. Confira a questão:

pajubá enem
Reprodução Colégio Objetivo

Apareceram tópicos que geraram descontamento de alguns alunos, como feminismo, nazismo, escravidão, regime militar, crise de refugiados e golpe de 1964. O tema da redação foi “Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet”. Confira a prova comentada neste link.

Com informações de Veja, UOL, Extra, Folha de SP e Band.