This article is also available in: English Español

GAY BLOG BR by SCRUFF

A YouTuber Débora Aladim chamou a atenção no Twitter por ter pego recortes de pinturas do Michelangelo na Capela Sistina e colocou na legenda: “Eu simplesmente amo que o Michelangelo deixou um tanto de beijos gays escondidos no Vaticano e ninguém nunca vai poder apagar por ser um patrimônio da humanidade”.

Após seu comentário alcançar 40 mil curtidas e 6 mil retweets, ela desativou o perfil do Twitter devido às críticas, considerando que o artista estaria alinhado à postura da Igreja Católica na época, e que o casal mostrado poderia estar entre as almas condenadas durante o Juízo Final.

O Correio Braziliense procurou a professora de artes e doutora em história pela Universidade Federal de Goiás, Vanessa Clemente Cardoso, dizendo que essa é uma pergunta difícil de responder: “Não podemos falar sobre a intenção do artista por que o Michelangelo não deixou nada escrito, ele não documentou o significado das obras” – explica.

Obra de Michelangelo com beijo gay na Capela Sistina volta a ser assunto após 500 anos
Reprodução

“Muito se fala, por exemplo, que Michelangelo teria tentado afrontar a igreja, colocando o homem como o centro da Criação e Adão, outro afresco da Capela Sistina, através do desenho de um cérebro (que aparece no plano de fundo da pintura). Mas, outros autores, mais famosos e reconhecidos, acreditam que era apenas um reflexo da grande paixão que o pintor nutria pelo estudo da anatomia, que estava sendo resgatado no renascimento”, exemplifica.

Vanessa explica que os artistas renascentistas eram cristãos, mas nem sempre estavam completamente de acordo com o alinhamento moral à cúpula do vaticano.

Ainda segundo a matéria do Correio Braziliense, os documentos históricos não permitem afirmar as verdadeiras intenções dos pintores do passado. No entanto, há pinturas representando homossexuais dentro do Vaticano e isso foi explorado comercialmente pela empresa italiana “Quiiky” em 2014, que criou uma rota chamada “a história não contada”.

O então presidente-executivo da companhia, Alessandro Virgili, concedeu uma entrevista ao The New York Times comentando sobre a pintura mencionada pela YouTuber.

“Por exemplo, falamos de Michelangelo. Ele era um católico devoto e ao mesmo tempo homossexual, com um sentimento constante de culpa e conflitos internos refletidos em suas obras. Quando olhamos para o ‘Juízo Final’ da Capela Sistina, nossos guias não deixam de mostrar no canto superior direito duas figuras masculinas que se beijam para celebrar a ascensão ao céu”, declarou.

This article is also available in: English Español

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".