GAY BLOG BR by SCRUFF

This article is also available in: Español

Em 2019, os vereadores da cidade polonesa de Krasnik, aprovaram uma resolução colocando a cidade como uma “zona livre de LGBT”. Segundo uma reportagem do jornal O Globo, agora Krasnik está “lutando para conter os danos” da medida.

“[A decisão] pôs em risco milhões de dólares em financiamento estrangeiro e, segundo o prefeito Wojciech Wilk, ‘transformou nossa cidade em sinônimo de homofobia’, o que ele insiste em dizer que não é verdadeiro.” – diz a reportagem.

Uma cidade francesa cortou parceria com Krasnik; a Noruega, da qual o prefeito da cidade esperava receber US$  10 milhões a partir deste ano para financiar projetos de desenvolvimento, suspendeu e disse que não daria subsídios a nenhuma cidade polonesa se de declarasse “livre de LGBT”.

“Nós nos tornamos motivo de chacota na Europa, e quem mais sofre são os cidadãos, não os políticos locais” — lamentou Wilk, que agora está pressionando os vereadores a revogar a resolução que colocou os 32 mil habitantes da cidade no meio de um debate furioso sobre valores tradicionais e modernos.

Cidade polonesa se arrepende de lei homofóbica: "Viramos chacota na Europa e perdemos milhões"
Reprodução

O prefeito Wojciech Wilk admitiu estar preocupado com o fato de que haverá poucas chances de garantir fundos estrangeiros para financiar projetos como ônibus elétricos e programas para jovens caso haja a retirada do status de “zona livre de LGBT”

“Minha posição é clara: quero que essa resolução seja revogada, porque é prejudicial para a cidade e seus habitantes”. – disse Wilk.

A União Europeia, assim como a já citada Noruega e também a Islândia, divulgaram que vão cortar o financiamento para qualquer cidade polonesa que viole o compromisso da Europa com a tolerância e a igualdade. O Parlamento Europeu também aprovou uma resolução em março dizendo que os 27 países do bloco são uma “Zona de Liberdade LGBT”.

A resolução que declara a cidade polonesa como “livre de LGBT” foi elaborada pelo vereador Jan Albiniak, que disse que não tem nada contra gays, chamando-os de “amigos e colegas”, mas que a medida visa debelar ideias que “pertubassem a maneira normal e regular como nossa sociedade funciona”.

A ideia veio após assistir a um vídeo online onde ativistas dos direitos do aborto discutiam com homens cristão na Argentina. Mesmo não tendo a ver com questões LGBT ou com a Polônia, Albiniak disse que o vídeo mostra “que estamos lidando com algum tipo de mal e podemos ver mundialmente manifestações de comportamento demoníaco que devem ser interrompidas”.

Já em nível nacional, o presidente do partido Lei e Justiça, Jaroslaw Kaczynski, afirmou ao jornal “Gazeta Polska” que a Polônia deve resistir a ideias LGBT que estão “enfraquecendo o Ocidente” e que são “contra todo o senso comum.

This article is also available in: Español

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".