Conhecido por ter pousado duas vezes pelado para a G Magazine, publicação voltada para o público gay, David Cardoso Jr. tem se sentido injustiçado pela falta de “visibilidade hétero”. Em abril, o ex-ator criticou a emissora Globo por estar dando mais espaço para a representação da comunidade LGBTQ+ em suas novelas.

“Os garotos que fazem Malhação hoje são péssimos. Malhação hoje passa cinco horas da tarde e só tem mulher com mulher e homem com homem se beijando. Acabou, por isso que eles são contra a Bolsonaro. A Rede Globo quer é o fim da família”, surtou Cardoso.

Duas vezes para a G Magazine, David Cardoso Jr. surta por ver Thammy em ação da Natura
Capa 13 e 115 da G Magazine – Reprodução

No último dia 29, David gravou um vídeo para criticar a Natura por escolher Thammy Miranda como parte da ação do Dia dos Pais. Com visível descontrole emocional, o ex-ator pede que público boicote à empresa para “dar uma lição”.

Assista:

Em seu Facebook, internautas pedem para que o ator devolva o “pink money” recebido pela venda de conteúdo para gays (G Magazine edições 13 e 115, onde foi capa).

Ações da Natura disparam e registram maior alta da bolsa de valores

Ações da Natura disparam e registram maior alta da bolsa de valores

A marca também tem ganhado força na bolsa de valores. No dia 29, as ações da Natura (NTCO3) fecharam o dia em alta 6,73%, a R$ 47,09, registrando a maior variação positiva entre os papéis que compõem o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores brasileira, segundo reportagem do UOL. Consequentemente, o bom desempenho da Natura contribuiu para o resultado positivo do Ibovespa, que encerrou o pregão em alta de 1,44%, aos 105.605,17 pontos. Segundo a reportagem, é o maior nível de fechamento desde 4 de março, quando o indicador bateu os 107 mil pontos. “A campanha dialoga bem com o propósito ESG (ambiental, social e governança, na sigla em inglês) da Natura e com seus clientes. Esse marketing inclusivo é positivo para a marca e abre portas para que ela ganhe ainda mais relevância. Vivemos novos tempos”, afirmou à revista Exame Ilan Abertman, analista da Ativa Investimentos.

Google Notícias