Jogadores do time Unicorns Brazil denunciam homofobia e ameaças de administração de clube

Jogadores de vôlei do time Unicorns Brasil relatam caso de homofobia no clube onde treinam - e temem as ameaças físicas recebidas

O Unicorns Brazil, grupo esportivo e cultural em prol da diversidade e voltado à comunidade LGBTQ+, expõe alguns episódios ocorridos no último mês, onde jogadores de vôlei do time relatam ameaças e preconceitos.

Em nota, os organizadores do time narram:

A HOMOFOBIA ATACA DE NOVO, AGORA CONTRA NOSSOS JOGADORES

Os nossos jogadores de vôlei locam, desde abril de 2018, a quadra do AÇAÍ CLUBE. Os meninos nunca atrasaram as mensalidades e jamais adotaram posturas criticáveis ou diversas daquelas praticadas por outros grupos esportivos que locam o mesmo espaço.

Pois bem. No dia 11 de janeiro, enquanto jogavam na quadra um amistoso contra o time do blue birds, duas senhoras (uma delas a Sra. Ivani Vaccari) adentraram a quadra e fizeram imagens dos meninos, sem autorização, sem prévio aviso, sem explicações, sem nada. Simplesmente gravaram os jogadores treinando.

Ato contínuo, a senhoras dirigiram- se à portaria do CLUBE e, em alto e bom som, disseram que “ESSAS PESSOAS AÍ PODERIAM ROUBAR AS BOLSAS DELAS”. Foi com pesar que, à época, identificamos um caso clássico e triste de preconceito, seja contra a comunidade LGBTQ+, seja por racismo ou simplesmente seja por elitismo / classismo, tendo em vista nosso grupo ser extremamente plural.

Notificamos o CLUBE pedindo providências, tais como a identificação das senhoras e a exibição/entrega das filmagens. 
O conselho, no entanto, negou-se a atender nossas solicitações, sob a alegação de que as imagens nada representavam e que não tínhamos provas das nossas alegações. O PIOR, ENTRETANTO, AINDA ESTAVA POR ACONTECER.

No dia 18 de janeiro, o UNICORNS fez um amistoso contra o time do THUNDERS. Nesse dia, nossos jogadores foram vítimas de homofobia e sofreram graves ameaças. O outro time, nosso convidado, também foi vítima, sendo que uma jogadora do time foi vítima de transfobia.

Os sócios, presentes na área externa, ficaram transtornados com a presença de uma trans (fato alarmado por uma das senhoras que já tinha feito as imagens na sexta-feira anterior), e proferiram ameaças aos nossos jogadores: “VIADO PRECISA MORRER”, “AQUI NÃO É LUGAR PARA ISSO”.

Isso mesmo, os sócios do clube AMEAÇARAM NOSSOS JOGADORES DE MORTE (destaque que temos testemunhas, de fora e do próprio clube, que já aceitaram testemunhar na ação de indenização que ajuizaremos contra o Clube).

Mais uma vez notificamos o clube, requerendo a identificação dos sócios que proferiram as ameaças, mas mais uma vez nada foi feito.

Pior. O conselho, que tem o irônico nome de “CONSELHO DE JUSTIÇA E SINDICÂNCIA”, afirmou que “NÃO PODERIA GARANTIR A SEGURANÇA DOS JOGADORES DO UNICORNS” e sugeriu nossa saída “PARA NOSSA PRÓPRIA SEGURANÇA”, e que o CLUBE garantiria a segurança apenas dos sócios.

Isso mesmo, deixaram claro que ali, num espaço fechado e pelo qual os meninos sempre pagaram rigorosamente a mensalidade, a segurança deles não poderia ser garantida.

Bom, diante das ameaças feitas na data anterior, e agora repisadas pelo conselho de JUSTIÇA (risos), nossos meninos tiveram que sair da quadra, alguns extremamente abalados, sem condições de prosseguir jogando naquele lugar.

Repisamos: nossos meninos foram vítimas de homofobia, transfobia e ameaçados de agressão física e morte, tudo isso dentro do espaço do CLUBE ACAI e NADA FOI FEITO.

Já identificamos algumas pessoas, e estamos adotando as providências criminais e cíveis cabíveis, mas vale o alerta para aqueles quem pensa em realizar algo com este CLUBE ACAI ou com seus sócios. Tão logo tenhamos os dados de todos os envolvidos, pessoas LGBTfobicas, iremos divulgar um a um, para que todos tenham ciência de quem são. Pessoas assim merecem ser expostas.

Em tempo, o IG do CLUBE: https://instagram.com/acaifutsal

Entramos em contato com o clube, mas ainda não obtivemos retorno.

Um grupo de gays, travestis e lésbicas criou a equipe de futebol Unicorns Futebol Clube para poderem fazer aquilo de que sempre foram excluídos: jogar futebol. Foto: UOL
Um grupo de gays, travestis e lésbicas criou a equipe de futebol Unicorns Futebol Clube para poderem fazer aquilo de que sempre foram excluídos: jogar futebol. Foto: UOL

ATUALIZAÇÃO:

Após jogadores LGBT+ relatarem ameaças dentro de clube, estabelecimento reage com mais ameaças

Comente