O público elegeu a campanha “Aqui é Bahia, aqui é respeito” na categoria “Pegue Meu Dinheiro” do POC AWARDS 2019, cuja foco são as peças publicitárias voltadas ou para o público LGBT+ ou para inclusão da diversidade.

GAY BLOG BR by SCRUFF

Assista a campanha:

A iniciativa do Governo da Bahia veio para contrapor uma censura feita pelo Jair Bolsonaro a um comercial de 30 segundos do Banco do Brasil, que incentivava os jovens a abrirem uma conta no banco.

Reprodução Instagram @objcomunicacao
Reprodução Instagram @objcomunicacao

Como é possível ver no vídeo abaixo, a propaganda mostra diversos tipos de pessoas, incluindo uma mulher negra, um jovem branco padrão, uma drag queen, entre outros. A ideia era incentivar jovens a abrirem uma conta no banco, especialmente as minorias marginalizadas pela sociedade.

Após a veiculação do comercial, o presidente Bolsonaro telefonou a Rubem Novaes, presidente do Banco do Brasil, e pediu a demissão do diretor de marketing da empresa, Delano Valentim.

Já o vídeo institucional da Bahia exibe diversos tipos de pessoas, incluindo negros, brancos, indígenas, LGBTs, pessoas com vítiligo, síndrome de down etc. O intuito de homenagear e exaltar a pluralidade da sociedade.

“As mina, os mano, as mona. Diverso. Aqui é Bahia, aqui é respeito” 

POLÊMICA COM CENSURA

Governo responderá por censura, racismo e homofobia por vetar propaganda do BB

A decisão gerou uma baita polêmica no início de 2019, com o Ministério Público Federal do Rio Grande do Sul ajuizando uma ação civil pública por “ilegal veto (censura) imposto à peça publicitária”

Segundo apurou a revista Exame, a ação pede à Justiça que a exibição da propaganda seja retomada, conforme contratação original da mídia, e que a União pague, por dano moral coletivo, indenização de R$ 51 milhões, o equivalente a três vezes o custo do anúncio e sua veiculação.

O “montante deverá ser aplicado em campanha de conscientização de enfrentamento ao racismo e à homofobia”, diz a ação assinada pelo procurador da República Enrico Rodrigues de Freitas.

Foto: Reprodução

O MPF do Rio Grande do Sul alega que a proibição da propaganda viola a Lei das Estatais (Lei 13.303/2016), que proíbe a redução ou a supressão da autonomia conferida pela lei específica que autorizou a criação da entidade supervisionada ou da autonomia inerente a sua natureza, bem como a ingerência do supervisor em sua administração e funcionamento, devendo a supervisão ser exercida nos limites da legislação aplicável.

A ação também acusa a União de “ofender a Constituição da República, que veda o preconceito com base em raça e com base no sexo do indivíduo (art. 3º, inciso IV), o que inclui o preconceito denominado de LGBTQfobia, bem como qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais.

Os vencedores do POC AWARDS 2019!

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".