Na última quarta-feira (05), ao tentar defender o programa de celibatarismo de Damares Alves como solução de prevenção à gravidez precoce, Bolsonaro afirmou que a pessoa com HIV representa “uma despesa para todos no Brasil”. A repercussão negativa de sua fala fez com que ele acusasse a imprensa, no sábado (08), de desvirtuar seu discurso e, ainda sim, repetiu que uma pessoa com HIV “é custosa para todo mundo”.

GAY BLOG BR by SCRUFF

Em nota, a Sociedade Brasileira de Infectologia se pronunciou para lembrar que “investir em prevenção com metodologia cientificamente comprovada custará muito menos ao país” e que a sorofobia (discriminação com as pessoas que são soropositivas) gera mais sofrimento e violência para as pessoas que vivem com HIV/aids.

Dr. Drauzio Varella, em seu canal do Youtube, também explicou políticas públicas relembrando experiências empíricas. Dr. Varella começa o vídeo lembrando que começou a tratar os primeiros casos de HIV/aids no país e que, antes do surgimento do tratamento com “coquetéis”, em 1995, a prevalência do HIV no Brasil era igual a da África do Sul.

“Nós passamos a distribuir medicamentos gratuitamente, muita gente foi contra. A África do Sul, não. Hoje, a África do Sul tem mais de 10% da população acima de 15 anos com o vírus. Se nós tivéssemos essa prevalência de 10% da população de 15 anos, nós estaríamos com 17 ou 18 milhões de brasileiros com HIV. Imagina que tragédia seria para o SUS conseguir dar atendimento médico [para tantos casos ao mesmo tempo]?”, diz Dr. Drauzio.

Assista ao vídeo:

Art. 196 da Constituição Federal

Em uma nota emitida pela Sociedade Brasileira de Infectologia, Dr. Clóvis Arns da Cunha lembra o Art. 196 da Constituição Federal: “A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”.

Leia a nota integral:

"Em 1995, a prevalência do HIV no Brasil era igual a da África do Sul", relembra Drauzio Varella após sorofobia de Bolsonaro
Foto: reprodução/Facebook

“No último dia 05 de fevereiro do presente ano, durante entrevista coletiva na saída do Palácio do Planalto, em Brasília, o Excelentíssimo Senhor Jair Messias Bolsonaro, Presidente da República, foi questionado sobre a campanha comportamental lançada pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos em parceria com o Ministério da Saúde, objetivando reduzir altos índices de gravidez na adolescência no Brasil, adiando o início da vida sexual.

Na ocasião, após diversos questionamentos, Vossa Excelência fez o seguinte comentário: “Uma pessoa com HIV, além de ser um problema sério para ela, é uma despesa para todos aqui no Brasil”.

O país tem um dos melhores programas de HIV/aids do mundo. Sabemos que apenas o uso de preservativo não é a medida mais eficaz para a prevenção da infecção pelo HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis. Por este motivo, foram associadas outras práticas, no que denominamos prevenção combinada, que consiste em: testagem regular para o HIV; prevenção da transmissão de mãe para o bebê durante a gravidez; tratamento das infecções sexualmente transmissíveis, incluindo as hepatites virais; imunização para as hepatites A e B; programas de redução de danos para usuários de álcool e outras substâncias; profilaxia pré-exposição (PrEP); profilaxia pós-exposição (PEP); e tratamento de pessoas que já vivem com HIV.

Além disto, o tratamento atual é eficaz e não interfere na expectativa de vida, se os medicamentos forem tomados corretamente. Também podemos afirmar que pessoas vivendo com HIV e que tenham carga viral indetectável não transmitirão o vírus por via sexual. Diz o Art. 196 da Constituição Federal: “A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”.

Todas as doenças geram custos aos cofres públicos, não somente o HIV. Investir em prevenção com metodologia cientificamente comprovada custará muito menos ao país. É necessário ter muito cuidado com este tipo de afirmação para não aumentar a sorofobia (discriminação com as pessoas que são soropositivas), o que pode gerar mais sofrimento e violência para as pessoas que vivem com infecção pelo HIV/aids.”

Drauzio Varella sobre HIV: ‘O papel da igreja nessa história toda foi um papel criminoso’

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.