GAY BLOG BR by SCRUFF

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) e UNAIDS (ONU), há no mundo 33 milhões de indivíduos portadores de HIV-AIDS. A boa notícia é que houve redução da prevalência em 16% e da mortalidade em 27,5% em relação à última avaliação.

Os países mais prevalentes são os africanos localizados abaixo do Saara, com 22,5 milhões de pessoas afetadas. A mortalidade por AIDS teve queda significativa a partir de 1995 com a introdução no arsenal terapêutico, dos chamados inibidores de proteases e ao longo desses últimos anos, de outros novos antirretrovirais. Na prática, AIDS pode ser hoje considerada uma doença crônica.

Com o aumento da sobrevida desses pacientes através da terapia antirretroviral e da própria ação de proteínas virais, passamos a diagnosticar ao longo da evolução as denominadas alterações metabólicas, mais especificamente a hipertrigliceridemia, o aumento de LDL-C, a redução de HDL-C, as lipodistrofias e graus variáveis de intolerância a glicose.

Entre 30 e 40% dos pacientes com HIV-AIDS em tratamento com antirretrovirais preenchem os critérios para o diagnóstico de síndrome metabólica. Esses pacientes com síndrome metabólica e lipodistrofia evoluem com valores de adiponectina significativamente baixos em relação ao grupo sem síndrome metabólica e lipodistrofia. Devido a essas complicações metabólicas e ao tempo de uso de medicamentos antirretrovirais, esses pacientes passaram a ter risco aumentado de doenças cardiovasculares.

HIV-AIDS e Diabetes Melito: o encontro de duas epidemias
Foto: reprodução/chartattack

Em paralelo a epidemia HIV-AIDS, a epidemia diabetes melito está presente em todo o mundo com 220 milhões de indivíduos e com projeção para 2025 de 300 milhões. A partir da descoberta da insulina por Banting e Best e o desenvolvimento de medicamentos orais, a mortalidade de diabetes melito teve queda significativa e passou a ser considerada doença crônica. Com isso, passamos a observar as chamadas complicações crônicas, mais comumente as micro e macrovasculares.

Além disso, no diagnóstico do diabetes tipo 2, aproximadamente 80% deles preenchem os critérios para o diagnóstico de síndrome metabólica. Portanto, diante dessas duas epidemias, HIV-AIDS e diabetes melito, hoje o que preocupa na prática é o risco aumentado em ambas de doenças cardiovasculares. Em conclusão, além dos tratamentos farmacológicos clássicos para essas duas entidades nosológicas, devemos dar grande ênfase à necessidade urgente de mudanças de hábitos alimentares e o estímulo às atividades físicas na tentativa de atenuar essas tão temidas complicações vasculares.

Referências:
1. AIDS Epidemic Update-UNAIDS–WHO-2007.
2. Diabetes Care 2004;27:1047-1053.
3. J Am Coll Cardiol 2006;47:1093-1100.
4. N Engl J Med 2007;356:1723-1735.

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.