Uma jovem transexual de 18 anos obteve o direito de cumprir medida socioeducativa em uma unidade feminina da Fundação Casa, a pedido da Defensoria Pública de SP. A transferência foi determinada pelo Tribunal de Justiça em decisão liminar do dia 18/2, atendendo ao pleito feito após recurso à segunda instância.

GAY BLOG BR by SCRUFF

A Defensora Pública Gisele Ximenes Vieira dos Santos, que atua em Sorocaba, argumentou que a adolescente se identifica com o gênero feminino desde muito nova e faz uso de nome social desde os 12 anos de idade. Por isso, sentia muitas dificuldades de relacionamento na unidade masculina em que cumpria a medida.

“Em todas as visitas à Fundação Casa, a jovem me procurava pedindo insistentemente pela transferência e narrando como se sentia mal de estar em um local onde não se sentia pertencente”, conta a Defensora.

A partir de uma articulação feita pelo Centro de Atendimento Multidisciplinar da Defensoria em Sorocaba, por meio da Agente Psicóloga Carolina Gomes Duarte, a jovem foi atendida pela rede pública de saúde mental, e assim foi elaborado parecer médico favorável à transferência. O Ministério Público também apresentou parecer em que concordou com o pedido.

A Defensoria ressaltou as situações abusivas e discriminatórias sofridas pelas mulheres transexuais no sistema carcerário, que violam o direito fundamental à intimidade e à vida privada, bem como os Princípios de Yogyakarta, que estabelecem parâmetros para a aplicação da legislação internacional de direitos humanos em relação à orientação sexual e à identidade de gênero.

Em outro argumento, a Defensoria afirmou que ocorria no caso da adolescente um tratamento mais severo que o conferido a pessoas adultas, pois a Resolução Conjunta nº 01 dos Conselhos Nacionais de Combate à Discriminação e de Política Criminal e Penitenciária garante a transexuais e travestis presas o direito a serem chamadas por nome social e tratamento compatível com o garantido às demais mulheres.

“Embora o pedido tenha sido negado inicialmente, acredito que a atuação multidisciplinar foi fundamental para dar suporte ao recurso e, consequentemente, à decisão judicial de segunda instância. É uma decisão extremamente técnica, com uso adequado do gênero e das normas jurídicas atuais, mas, acima de tudo, humana, baseada no princípio da dignidade da pessoa humana e nas condições pessoais da jovem”, avalia a Defensora Gisele Ximenes Vieira dos Santos.

Enxergamos as pessoas trans? | Eliseu Neto

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.