GAY BLOG BR by SCRUFF

O “Troféu Triângulo Rosa dos Amigos dos LGBTI+”, tido como uma das primeiras premiações LGBTQIA+ do Brasil, foi criado em 1991 pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), que hoje é a mais antiga associação brasileira de defesa de LGBTs ainda em exercício. Com sede no Pelourinho, em Salvador (BA), a organização não governamental que criou a premiação foi fundada em 1980 pelo antropólogo, historiador e pesquisador Luiz Mott.

Grupo Gay da Bahia em ato na década de 80 - Foto: Reprodução/@grupogaydabahia
Grupo Gay da Bahia em ato na década de 80 – Foto: Reprodução/@grupogaydabahia

O nome da icônica premiação do Grupo Gay da Bahia, “Triângulo Rosa”, faz referência ao distintivo utilizado para identificar gays nos campos de concentração na Alemanha Nazista, onde cerca de 300 mil LGBTs foram assassinados na época. Desde então, o triângulo rosa tem sido usado como símbolo de resistência e empoderamento da causa LGBTQIA+.

A premiação pioneira, que terá sua 31ª edição em 2022, concede também o famigerado “Troféu Pau de Sebo”, uma espécie do “Framboesa de Ouro” que, segundo explica Marcelo Ferreira de Cerqueira, atual presidente do Grupo Gay da Bahia, tem o objetivo de alertar a sociedade sobre os preconceitos.

“Aproveitamos uma tradição irreverente do folclore brasileiro para mostrar o ridículo de ser inimigo dos LGBT: por mais que queiram espezinhar os gays e destruir o movimento de libertação LGBT+, nunca chegam a seu objetivo, caindo e se lambuzando no pau de sebo da intolerância. Mesmo que esperneiem, aumenta a cada ano o número dos LGBT+ assumidos e o apoio dos simpatizantes, além das vitoriosas garantias legais a favor de nossa cidadania”, diz Marcelo.

PREMIADOS 

O Triângulo Rosa não apenas concede o prêmios a personalidades, artistas e políticos, como também para para instituições públicas e privadas. Entre os contemplados com o troféu nas últimas três décadas estão Elke Maravilha, Bibi Ferreira, Daniela Mercury, Ludmilla, Preta Gil, Reynaldo Gianecchini, Luiz Fernando Guimarães, Mateus Solano, Glamour Garcia, Matheus Ribeiro, Bradesco, Banco do Brasil, Natura, Corinthians, Hotéis Mercure, Universidade Estadual do Piauí e Google.

No entanto, alguns dos vencedores do Triângulo Rosa causam estranheza nos dias atuais, como exemplo o cantor Netinho, premiado em 2008 pela música “Tá bom!”, Celso Russomanno, por fazer um discurso no Dia do Orgulho, também em 2008, e o ator José Mayer, em 2015.

Outras controvérsias da premiação envolvem as condecorações para Força Aérea Brasileira (FAB) em 2014, para o apresentador Datena, também em 2014, para o bispo Edir Macedo, em 2016, e para o ator Rodrigo Simas, que teria “se declarado como gay”, em 2014. A título de curiosidade, na época, Rodrigo Simas não revelou ser gay: a colunista Fabiola Reipert publicou uma nota, no portal R7, dizendo que Simas teria se revelado gay para seu núcleo familiar.

Já na categoria “Pau de Sebo”, que concebe o “troféu às avessas”, estiveram na premiação Roberto Jefferson, Neymar, João Doria, Marcelo Crivella, Douglas Garcia, Jornal Gazeta do Povo, Mara Maravilha, Baby do Brasil, entre outros. Em 2021, Jair Bolsonaro levou o título pelo terceiro ano consecutivo em função de suas declarações.

HABEMUS OUTRAS PREMIAÇÕES LGBTQIA+

Além do “Troféu Triângulo Rosa”, outras premiações LGBTQIA+ foram surgindo, ainda nos anos 90, legitimando a cultura, política, cidadania, empreendedorismo, aliados e uma grande sorte de categorias.

Uma outra premiação que surgiu na mesma época do “Triângulo Rosa” foi a do Festival MixBrasil, que teve sua primeira edição no ano seguinte de sua estreia, em 1994. Com cerimônias de premiação comumente lembradas por apresentações artísticas ao vivo e discursos emocionados dos premiados no palco, o Festival concede o “Coelho de Prata” e “Coelho de Ouro”.

Já a Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo (APOLGBT-SP) lançou a sua premiação em 2001 com inúmeras categorias que certificam artes, cultura e cidadania. A mais recente edição do “Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade LGBT+” aconteceu de maneira virtual, por conta da pandemia, ainda sim mantendo em sua cerimônia os shows de cantores, discursos e performances ao vivo.

Outras grandes premiações voltadas para a comunidade LGBTQIA+ foram criadas entre 1993 a 2020, como o Prêmio Arco-Íris, o Prêmio Gayvota, o Prêmio de Direitos Humanos e Cidadania LGBT+, o Prêmio Beijo Livre (da Associação Brasília Orgulho), o Prêmio Digo (do Festival de Diversidade e Gênero de GO), o Prêmio Pajubá (do Festival LGBT do Rio), o Troféu Elke Maravilha (do Festival For Rainbow) e o estimado Poc Awards, a premiação do Gay Blog BR criada em 2019.




Junte-se à nossa comunidade

Mais de 20 milhões de homens gays e bissexuais no mundo inteiro usam o aplicativo SCRUFF para fazer amizades e marcar encontros. Saiba quais são melhores festas, festivais eventos e paradas LGBTQIA+ na aba "Explorar" do app. Seja um embaixador do SCRUFF Venture e ajude com dicas os visitantes da sua cidade. E sim, desfrute de mais de 30 recursos extras com o SCRUFF Pro. Faça download gratuito do SCRUFF aqui.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia"