Vencedora do Prix Jeunesse Iberoamericano 2019, a série “Famílias” documenta, em São Paulo, cinco grupos que se unem não pelos laços de sangue, mas pelo afeto e pelo desejo de conquistar o espaço público sem medo e sem se sentirem discriminados.

Famílias
Frame de “Famílias”

Com sobrenomes como D’Matthah, Vallentyne Lawinny, Mad Queen, Lobos e Stronger, as famílias congregam centenas de membros, em sua maioria entre 16 e 20 anos, que se dividem nos papéis de pai, mãe, filho ou filha e que articulam em prol dos direitos LGBT+ em São Paulo.

Dividida em 5 episódios de 26 minutos, a série dirigida por André Bomfim e Paula Sacchetta está disponível na plataforma do Spcine Play.

Família a gente não escolhe, a gente inventa.

EPISÓDIOS

#1 – Família D’Matthah

No primeiro episódio da série, acompanhamos uma das famílias LGBT mais antigas. A D’Matthah surgiu há 16 anos em Mauá (SP), e desenvolve ações de acolhimento e uma militância cotidiana, sempre empenhada em promover políticas públicas voltadas para o público LGBT. Vemos as ações da família no Conselho Municipal de Direitos Humanos e Cidadania LGBT de Mauá, uma das criações da D’Matthah, e no Centro de Referência e Defesa dos Direitos Humanos em São Paulo. Seguimos o cotidiano de três membros: Fuh Miguel, fundador da família, que tenta equilibrar as demandas de militante com a vida amorosa; Jeh Evans, irmão adotivo de Fuh Miguel, às voltas com as últimas notícias sobre o pai biológico, um sujeito homofóbico e morador de rua; e Josh Leone, que está retomando o ensino médio e precisa ouvir de seu pai, Fuh Miguel, conselhos sobre uma grande novidade.

#2 – Família Vallentyne Lawinny

Descubra uma das famílias mais conhecidas de São Paulo, a Vallentyne Lawinny, cujo nome remete a valentia. Fundada em 2004 com o objetivo de proteger quem frequenta o centro da cidade, não foram raros os momentos em que Douglas, pai da família, teve que acudir algum filho contra ataques de homofobia ou contra a covardia de outras famílias – Douglas prefere chamá-las de gangues. No episódio, acompanhe o cotidiano do pai da Vallentyne Lawinny como DJ e árbitro de futebol amador e relembre com ele um caso marcante de violência; veja como o Bonde dos Lawinny promove o nome da família nos ensaios e apresentações de funk e embala os sonhos de três integrantes; e entenda como o Consulado das Famílias LGBT, organização de articulação e militância das famílias, vem apontando para Maart Beul, filho de Douglas, um caminho de superação e empoderamento.

#3 – Família Mad Queen

Conheça a Mad Queen, a família mais nova e ostentação da série, com um nome que inspira realeza. Criada há apenas um ano, seus membros são príncipes, lordes, duques e imperatrizes. À frente da corte, o rei Luís, que trabalhou na noite como Flávia Caldeirão e hoje comanda, além da família, um terreiro de quimbanda. Entenda como sua vivência de pai de santo orienta os membros e o percurso da Mad Queen, repleto de rolês como o Viados de Salto; acompanhe o príncipe Luan, braço direito de Luís, se virando nos bicos de porteiro e segurança; e descubra Fernando, que também já foi da noite, mas mesmo deixando pra trás essa vivência nada fácil decidiu nunca abandonar a imperatriz Lytssa Capetini, sua encarnação feminina, uma das drags da família.

#4 – Família Lobos

Acompanhe de perto a Lobos, a família de integrantes mais jovens da série. Incubada no interior de outra família, seus membros resolveram se emancipar há quatro anos, e desde então vêm promovendo encontros e discussões sobre direitos e comportamento LGBT dentro de casa e no espaço público. Através de Lobinho, segundo pai da família, perceba os atritos e afetos com os parentes biológicos, e experimente o desafio de liderar uma família quando se tem apenas 20 anos; com Débora, vivencie as dificuldades e esperanças de ser mãe solteira na adolescência, carregando com leveza o diagnóstico do filho; já com Gabi, descubra as responsabilidades de uma garota de 15 anos que cuida de casa e das irmãs mais novas, enquanto sonha com um futuro melhor que o da própria mãe.

#5 – Família Stronger

O último episódio da série é dedicado à família mais ativa e politizada de todas, a Stronger. Ela surgiu há 10 anos como resposta a ameaças e assaltos no centro da cidade, mas hoje em dia sua energia e atividades extrapolam qualquer circunscrição. Acompanhe as articulações de Elvis Justino, líder político da Stronger, com entidades de governo e da sociedade civil, a exemplo de secretarias de assistência social e da Associação da Parada do Orgulho LGBT, onde a família participa como membro; compartilhe a expectativa de Diana, neta de Elvis, em encontrar um lugar onde possa morar sem se sentir ofendida por ser mulher trans; e descubra como é que Lyka, filha de Elvis e mãe solteira de dois filhos, inspira a Stronger num projeto social dirigido à comunidade LGBT em situação de risco.

Assista também: