11 de outubro: ‘The Coming Out Day’ – ‘Dia de Sair do Armário’

Nos primeiros anos, muita gente saiu do armário para diminuir o preconceito contra a população LGBT+, conscientizando que todo mundo convive com LGBT+

The Coming Out Day, em livre tradução “dia de sair do armário”, é uma data que foi internacionalmente convencionada para aumentar a visibilidade da importância dos direitos civis relacionados à população LGBT+. Nos primeiros anos do The Coming Out Day, pessoas públicas e comuns fizeram seu “outing” na mídia visando acabar com o preconceito e a ignorância, numa espécie de campanha ao estilo “todo mundo conhece pelo menos uma pessoa que é LGBT+”.

11 de outubro: The Coming Out Day aka Dia de Sair do Armário
11 de outubro: The Coming Out Day aka Dia de Sair do Armário

The Coming Out Day teve início em 1988 nos Estados Unidos com o psicólogo Robert Eichberg e a ativista Jean O’Leary. A razão da escolha da data, 11 de outubro, tem relação com o aniversário do Marco National de Washington em respeito aos direitos da comunidade LGBT+.

Administrada Inicialmente a partir dos escritórios West Hollywood dos defensores dos direitos nacionais gay, o primeiro NCOD recebeu a participação de dezoito estados, atraindo a cobertura da mídia nacional. Em seu segundo ano de NCOD sede mudou-se para Santa Fe, Novo México e participação cresceu para 21 estados. Depois de um empurrão da mídia em 1990, NCOD foi observada em todos os 50 estados e sete outros países. A participação continuou a crescer e em 1990 fundiram seus esforços com o Human Rights Campaign.

Aidan Faminoff em 2018

Em 2018, um dos casos que teve mais visibilidade foi o do atleta Aidan Faminoff, com então 19 anos.

“Eu sabia desde a sexta série que eu era gay. Eu nunca me senti confortável o suficiente para falar com alguém sobre isso até que eu estava na faculdade. Eu estava confuso sobre o porquê de eu ser atraído por homens. Durante todo o ensino médio e ensino médio, eu mantive isso para mim. Eu criei uma persona falsa para poder me sociabilizar com os alunos”, relembra.

Eliseu Neto aos 20 anos

No último dia 29, o colunista e ativista Eliseu Neto fez um sincero relato sobre sua experiência de se assumir publicamente.

“A liberdade é uma sensação indescritível, lembro bem como foram terríveis os seis meses que vivi dentro de um armário. A decisão deve ser de cada um. Coletivamente, acredito que se todo gay mostrasse o orgulho de lutar pelo seu desejo, de enfrentar o mundo para o que somos, o quão ‘macho’ precisa ser para passar por isso, um pouco mais de respeito teriam que nos dar”, contou em seu artigo.

1 COMENTÁRIO