A Mattel lançou, em 1992, uma versão do Ken chamada “Earring Magic Ken” (Ken Mágico de brinco, em tradução livre), sendo a contraparte masculina da “Earring Magic Barbie”.  Originalmente, a ideia era que o boneco tivesse uma roupa descolada, porém assim que saiu no mercado, as pessoas associaram sua vestimenta aos homens gays do início dos anos noventa de modo bem estereotipado, incluindo a roupa roxa, o brinco, e também o colar, que muitos interpretaram como uma analogia ao pênis. Por essa razão, ele acabou ficando conhecido como o Ken gay.

- CURTA A PÁGINA DO FACEBOOK -

Após a repercussão, a Mattel emitiu um comunicado negando que esta versão do boneco era gay e a chefe do departamento de comunicação e marketing da empresa na época, Lisa McKendall, ficou furiosa com o que o público estava dizendo, concedendo uma entrevista visivelmente irritada ao Chicago Reader:

“Não estamos em negócios para colocar anéis de ‘pênis’ nas mãos de garotinhas!”

Ken gay é o boneco mais vendido da Mattel
Reprodução

Logo em seguida, a companhia parou a produção dos bonecos e tirou das lojas de brinquedos os que estavam em estoque. Curiosamente, os homens gays da época compraram “em massa” e, até hoje, este permanece o modelo do Ken mais bem sucedido da história da Mattel, mesmo ficando nas lojas por apenas seis semanas. Hoje em dia, é possível encontrá-lo no Ebay por preços que variam de US$ 20 a US$ 500.

Vale dizer que tanto o Ken quanto a Barbie foram alvo de polêmicas ao longo de sua história, incluindo versões dos bonecos em forma de Jesus Cristo, considerado um insulto a muitos religiosos; a Barbie grávida, onde era possível ver o neném na barriga da boneca; a Barbie Oreo, acusada de racismo graças ao slogan “negro por fora, branco por dentro”, sendo uma tentativa de remeter aos tradicionais biscoitos e até mesmo a Barbie zumbi, que tinha como objetivo atingir os colecionadores e não necessariamente as crianças.

Com informações do Queerty.

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".