Ator Jay Dymel, da produtora Falcon Studios, morre aos 27 anos

Dymel, 27 anos, postou nas redes sociais recentemente, três dias atrás, celebrando um after na piscina após a Los Angeles Pride.

Ontem à noite, a produtora Falcon Studios anunciou a morte do ator pornô Jay Dymel, também conhecido como Julian Pereza. O rapaz, de 27 anos, entrou em coma alguns dias depois de participar da Pride de Los Angeles.

O performer Ryan Ston, que namorava o ator, diz que a causa da morte ainda não é conhecida. Ston abriu uma vaquinha online para pagar as despesas com o funeral.

“Hoje perdemos um ser humano incrível! Perdemos um irmão, um filho, um melhor amigo e, acima de tudo, uma alma doce. Jules tinha uma personalidade contagiante. Não importa o que ele sempre fez você se sentir amado e como uma família e agora ele se foi. Jules foi amado por muitos e permanecerá em nosso coração para sempre. Por favor nos ajude a arrecadar dinheiro para sua cremação e memorial e é necessário. Cada pouquinho ajuda e é muito apreciado. Muito obrigado pela sua doação e suas amáveis ​​palavras sobre este doce anjo”, escreveu Ryan Ston no site GoFundMe.

CASEY JACKS

No mês passado, o também ator pornô Casey Jacks morreu aos 29 anos. Alguns de seus colegas de trabalho suspeitavam de suicídio.

Como o crítico gay pop-cultural Johnny Gayzomnic escreveu uma vez, a morte de artistas adultos gays pode abalar profundamente os fãs porque muitos de nós aprendem primeiro sobre nossa sexualidade e prazer com eles. Então, quando eles morrem, é como perder um par atraente que nos mostrou como nossa sexualidade pode parecer.

KYLE DEAN

Em setembro de 2019, o ator Kyle Dean morreu aos 21 anos. O astro teve uma vida um pouco conturbada nos últimos anos. Foi preso várias vezes nos últimos três anos e passou um tempo na prisão em 2017. Dean, cujo nome verdadeiro era Brandon Jason Chrisan, trabalhou em vários estúdios de filmes para adultos gays, incluindo GayHoopla e Corbin Fisher.

LEIA TAMBÉM:

Dan Reynolds, vocalista do Imagine Dragons, assuntou sobre igualdade, depressão e armas. Perto da plateia, se enrolou na bandeira LGBT e na bandeira do Brasil – claro, argumentando bravamente sobre igualdade e amor.

Com informações de Queety

Comente