Os canais a cabo Cartoon Network e Nickelodeon, ambos destinados ao público infanto-juvenil, resolveram se posicionar a favor do Dia Internacional da Visibilidade Trans, no último dia 31 de março, através das redes sociais.

“O Cartoon Network celebra você sendo autenticamente você”.

“Hoje é o Dia Internacional da Visibilidade Trans. Estamos celebrando com pessoas trans ao redor do mundo e encorajando-as a viverem sua própria verdade.”

Steven Universe abordou transexualidade no final de sua temporada

Esta não é a primeira vez que a transexualidade aparece no Cartoon Network. No final da 5ª temporada de Steven Universe (da ativista Rebecca Sugar), Steven tenta convencer as matriarcas interestelares do Império Gem que ele é realmente um garoto quando visita o Homeworld. Como ele carrega o gem de sua mãe, eles acreditam que Steven é sua mãe e até o chamam pelo nome dela.

Ele consegue convencer todas as matriarcas, exceto White Diamond. White separa Steven de sua joia, esperando que ele retorne à forma de sua mãe. Em vez disso, uma versão rosa de Steven e uma forma sem vida e sem “gemas” de Steven são formadas e elas precisam se reunir.

“Eu só quero que você seja você mesma. Se você não pode fazer isso, eu farei isso por você – diz White enquanto ataca os Stevens.

Eles ainda conseguem se reunir e Steven diz: “Eu sou eu. Eu sempre fui eu.”

“Você não se parece com isso”, responde White. “Você não soa assim. Você não é meio humano, está apenas agindo como uma criança.”

“Uma das lutas quintessenciais da transnidade, portanto, é conseguir que outras pessoas, especialmente pessoas do nosso passado, entendam e aceitem essas novas mudanças. E, em alguns casos, até acreditar que são legítimos – que você é, de fato, quem e o que diz ser”, comenta Julie Muncy, do Gizmodo.

Cartoon Network e Nickelodeon se posicionam a favor do Dia da Visibilidade Trans
Steven Universe – Reprodução

SOFRI LGBTIFOBIA E AGORA?

Recentemente publicamos um artigo explicando que a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA) e a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT) lançaram, neste 31 de março, Dia Internacional de Visibilidade Trans, uma cartilha do que fazer caso a pessoa sofra ou presencie um caso de LGBTIfobia.

O texto é assinado pela secretária de Articulação Política da Antra, Bruna Benevides, que explica que a LGBTIfobia se enquadra na Lei 7.716/89, a lei antirracista. É possível conferir o PDF neste link.

“Criamos o manual com dicas e como forma de um incentivo para discutir o processo que culminou na decisão que reconhece a LGBTIfobia e o seu enquadramento na lei do racismo. Queremos tirar dúvidas, elucidando, junto à população, como fazer as denúncias, como acompanhar os processos e como cobrar o efetivo enquadramento dentro dos seus qualificadores”.

A iniciativa surge porque os LGBTI+ se sentem desprotegidos e creem que a impunidade favorece a violência.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".