This article is also available in: Español

GAY BLOG BR by SCRUFF

Neste 11 de outubro é celebrado o “Dia de Sair do Armário” (International Coming Out Day), uma data que visa conscientizar a população sobre o quanto é importante aceitar a própria sexualidade, assim como respeitar diferentes orientações e identidades de gênero.

A ideia veio do psicólogo gay Robert Eichberg e pela ativista lésbica Jean O´Leary em 1988. A data foi escolhida por ser também o dia do Marco Nacional de Washington para Direitos de Gays e Lésbicas.

Reprodução

Na época, havia um desejo dos ativistas de se posicionarem contra aqueles que refutavam seus direitos, porém eles não queriam responder diretamente. Aí foi criado o “National Coming Out Day” (NCOD) para dar visibilidade aos LGBTQIA+ e lutar contra a homofobia de modo mais positivo.

“A maioria das pessoas acreditam que não conhecem ninguém que seja gay ou lésbica, mas de fato, todo mundo conhece” – disse Robert Eichberg em uma entrevista de 1993, apontada pelo The New York Times “É imperativo sairmos do armário e mostrar às pessoas quem nós somos e tirar delas seus medos e estereótipos” – completa.

Inicialmente, o NCOD era administrado nos escritórios de West Hollywood e em seu primeiro ano recebeu apoio de dezoito estados americanos. Em 1989, o NCOD mudou para Santa Fé, no Novo México, e foram 21 estados. Em 1990 foram 50 estados e sete outros países, além de terem fundido seus esforços com a Human Rights Campaign.

Nos anos iniciais, pessoas famosas e anônimas aproveitavam a data para exporem suas orientações sexuais e identidades de gênero, mostrando ao mundo que que essas pessoas existem e que outros LGBTs “não estavam sozinhos“. Mais recentemente, como a comunidade LGBTQIA+ está mais presente na sociedade ocidental e é um assunto tratado com um pouco mais de naturalidade, o dia funciona como um feriado nos Estados Unidos, onde as pessoas saem às ruas com a bandeira do arco-íris, ou acessórios que mostram o seu orgulho.

SAIR DO ARMÁRIO: UM POUCO DE HISTÓRIA DO ATIVISMO

Em 1867, o escritor e jornalista alemão Karl-Heinrich Ulrichs, considerado pioneiro do moderno movimento gay, foi o primeiro homossexual declarado a falar publicamente em defesa dos direitos da comunidade quando solicitou ao Congresso de Juristas Alemães, em Munique, que apoiassem a eliminação das leis que discriminavam os gays. Foi vaiado e não teve seu desejo realizado, mas escreveu diversos ensaios que procuravam entender o seu desejo por pessoas do mesmo sexo, como “Pesquisas sobre o Enigma do Amor Entre Homens” e “Uma Psique Feminina Confinada Num Corpo Masculino”.

Em 1870, Ulrichs publicou o livro “Araxes: um Apelo à Libertação do Uraniano das Leis Penais”, sendo que “uraniano” é uma metáfora para ele se referir a ele mesmo. O discurso é semelhante aos que lutam pelos direitos LGBTQIA+ hoje em dia: “O Uraniano é também uma pessoa. Também tem, por isso, direitos inalienáveis. A sua orientação sexual é um direito estabelecido por natureza. Os legisladores não têm direito de vetar a natureza; de perseguir a natureza no curso da sua obra; de torturar seres vivos por serem sujeitos às forças que a natureza lhes deu.”

Na década de 1870, o austro-húngaro Karl-Maria Kertbeny ficou conhecido por ter criado as palavras “heterossexual” e “homossexual”, já que na época o relacionamento entre dois homens utilizava uma nomenclatura equivalente a “pederasta”, que era pejorativa.

Também pioneiro no ativismo LGBT, apesar de ele nunca ter dito publicamente que era gay ou hétero, ele fez vários estudos sobre a homossexualidade por, segundo ele, um “interesse antropológico” combinado com um sentimento de injustiça e preocupação com os “direitos do homem”.

Em 1880, escreveu um capítulo sobre homossexualidade para o livro “A Descoberta da Alma“, de Gustav Jäger, mas a editora omitiu por considerar o tema “polêmico demais”. No entanto, Jäger utilizou as palavras “homossexualidade” e “heterossexualidade” em sua obra.

LEIA TAMBÉM
Filho de Emílio Surita diz ter sido expulso de casa por revelar ser bissexual

Cantora Patrícia Marx revela ser lésbica e apresenta namorada

This article is also available in: Español

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".