GAY BLOG BR by SCRUFF

This article is also available in: English Español

No Ceará, os medicamentos que combatem o HIV, como Lamivudina, Raltegravir e Etravirina, estão com estoques baixos. O Kaletra, direcionado às crianças com vírus, está em falta. Com isso, os usuários que precisam receber o medicamento para 90 dias, estão recebendo apenas para 30. As informações são do G1.

A Secretaria de Saúde do Ceará (SESA) informou, em nota ao Sistema Verdes Mares, que a previsão de chegada do Lamivudina e do Raltegravir é dia 22 de dezembro. Já o Etravirina deverá chegar só na primeira quinzena de janeiro de 2021. Ainda não há previsão para reposição do Kaletra.

“Estamos muito preocupados, pois sem o repasse, as milhares de pessoas soropositivas que vivem no estado podem perder o controle do vírus no organismo” – diz Vando Oliveira, Coordenador da Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV /AIDS Núcleo Ceará (RNP+CE).

O baixo estoque ocorre justamente no mês da conscientização e combate à AIDS, o Dezembro Vermelho. De acordo com o ofício da RNP, o Governo Federal está indo na contramão dos direitos das pessoas com HIV.

“Com a pandemia, os pacientes se preocuparam em ir buscar seus medicamentos por medo do contágio. E se esse período diminui de 90 para 30 dias, eles precisam ir mensalmente ao local de entrega” – diz a infectologista do Hospital São José (HSJ), Melissa Medeiros.

Medicamento para crianças que vivem com HIV está em falta; repasse é feito pelo Ministério da Saúde
Foto: Ato realizado em 2017 em frente ao Posto de Saúde Carlos Ribeiro – Reprodução/ pca.org.br

Governo suspende exames de HIV, AIDS e hepatites virais pelo SUS

O Ministério da Saúde publicou uma nota explicando que houve uma suspensão das coletas de amostras para exames de genotipagem do HIV, AIDS e da hepatites virais pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O teste é fundamental para definir o tratamento mais adequado a quem desenvolve resistência a medicação. As informações vieram da Isto É.

Isso aconteceu porque o contrato com a empresa que realizava venceu em novembro de 2019 e, apenas no dia 7 de outubro do ano citado, o ministério realizou um pregão para buscar uma nova fornecedora do serviço. A empresa vencedora não anexou todos os documentos exigidos pelo edital e por isso houve a suspensão. Neste dia 8 de dezembro haverá um novo pregão e caso o vencedor passe por todo o processo burocrático, há uma expectativa de que o serviço retorne em janeiro.

Para minimizar os prejuízos, as crianças de até 12 anos e gestantes que convivem com o HIV continuarão a ter os exames. Quanto aos pacientes que convivem com hepatite C, estes devem receber os medicamentos velpatasvir e sofosbuvir, que dispensam a genotipagem.

Governo suspende exames de HIV, AIDS e hepatites virais pelo SUS
Reprodução

Procurado pela reportagem da Isto É, o Professor de Infectologia da Universidade Federal de São Paulo (USP) e membro da SBI, Paulo Abrão, diz que a falta do exame pode comprometer “gravemente” a saúde dos pacientes com HIV, afirmando ser necessário planejamento para evitar a descontinuidades dos serviços deste tipo.

Vale lembrar que em fevereiro deste ano, Jair Bolsonaro disse para a imprensa em Brasília que uma pessoa portadora do vírus HIV acaba sendo uma “despesa para todos no Brasil”.

“O Alexandre Garcia [ex-jornalista e apresentador da Globo] comentou que a esposa dele, que é obstetra, atendeu uma mulher que teve primeiro filho aos 12 anos, o segundo aos 15 e no terceiro já estava com HIV. Uma pessoa com HIV, além de ter um problema sério para ela, é uma despesa para todos aqui no Brasil”, disse Bolsonaro na época.

This article is also available in: English Español

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os LGBTs que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia"