Pabllo Vittar é capa da revista 29Horas: ‘sou igual paetê: quando não brilha, corta’

Destaque na capa da edição carioca '29 Horas', Vittar relembra passado marcado por preconceito e celebra o sucesso de sua carreira

A nova edição da Revista 29HORAS já está disponível para retirada gratuita nas salas de embarque e desembarque dos aeroportos de Congonhas (SP) e Santos Dumont (RJ). Neste mês, a capa carioca destaca uma matéria com a cantora Pabllo Vittar, a drag queen mais seguida do mundo no Instagram, enquanto a versão paulistana traz um bate-papo exclusivo com Isaac Azar, dono da famosa rede de restaurantes Paris 6. Confira abaixo mais detalhes.

Destaque na capa da edição carioca '29 Horas', Vittar relembra passado marcado por preconceito e celebra o sucesso de sua carreira
Destaque na capa da edição carioca ’29Horas’, Vittar relembra passado marcado por preconceito e celebra o sucesso de sua carreira

Edição carioca – Pabllo Vittar

Pessoa doce, alegre e simples, a drag queen Pabllo Vittar é uma estrela da música brasileira que cresce a cada dia e agora está elevando o patamar de sua carreira para o mercado internacional. Em junho, mês do orgulho LGBTQI+, ela se apresentou em paradas gay das cidades de Boston, Chicago, Miami, Nova Iorque e São Francisco, nos Estados Unidos, e em Toronto, no Canadá. Por todos os lugares por onde passou, foi ovacionada pelos fãs que, mesmo sem saber português, vibraram na plateia. “Eu tenho tido o prazer de levar minha música para outros países. Fico contente de ver nativos de diversos lugares consumindo minha música e entendendo a mensagem que quero passar”, afirma.

Celebrando o melhor momento de sua vida, Pabllo diz que passou por dificuldades e sofreu muito preconceito antes de se consolidar como uma drag queen de sucesso e reflete: “Não tenho mágoa, porque esse sentimento só faz mal a você. Mas passei, sim, por muita coisa. O preconceito pode não só machucar, mas destruir as pessoas. O respeito é fundamental”. A cantora também conta que não imaginava que sua carreira seria tão bem-sucedida. “Quando eu comecei, o meu foco era ser conhecida no meu bairro, não era nem na cidade. Mas agora eu sou conhecida fora do meu país. Fico muito feliz”, comemora.

Pabllo Vittar é a personagem criada por Phabullo Rodrigues da Silva, 24 anos, natural de São Luís do Maranhão, criada em Santa Isabel, no Pará, e que atualmente vive em Uberlândia, Minas Gerais. Ao contrário de Pabllo, Phabullo é tranquilo e adora passar o tempo livre vendo Netflix. “O Phabullo é muito tímido, gosta muito de ficar em casa… Já a Pabllo, não. A minha drag é extrovertida”, reforça. E foi justamente pela tranquilidade que Phabullo escolheu a cidade de Uberlândia para viver. “As pessoas me perguntam por que eu não moro no Rio ou em São Paulo, mas eu amo viver em um lugar tranquilo. Na minha rua não tem barulho e lá eu sou o Phabullo. Foi lá que tudo aconteceu”, diz.

Fonte de inspiração para a comunidade LGBTQI+, Pabllo incentiva pessoas a se aceitarem do jeito que são. “Esse moralismo de hoje me dá muito gás para poder levar minha mensagem mais longe ainda. Nunca foi fácil para a comunidade ser quem é, mas ultimamente tudo tem sido ainda mais difícil, parece que a gente vem sendo encurralada. Enquanto eu puder fazer e gritar, eu vou fazer pela comunidade, junto com as minhas amigas que também dão voz a esse processo de respeito e aceitação”. Com o papel de representar as minorias que precisam ser respeitadas, Pabllo relembra: “quando eu era pequena, eu não tinha alguém que me representasse. Hoje, a minha maior alegria é receber mensagens de gente que diz que agora pode falar com a mãe sobre a sua sexualidade e que as coisas têm sido mais fáceis. Isso não tem preço. Nos shows que faço aqui e no exterior eu me sinto muito amada e abraçada. As pessoas vêm contar histórias e dizer que estão se aceitando e se amando”.

Desde a sua primeira aparição na mídia, em 2015, com o clipe “Open Bar”, que alcançou mais de um milhão de visualizações no Youtube em menos de um mês, Pabllo já cantou no Rock in Rio com a cantora Fergie; foi a primeira drag queen indicada ao Grammy Latino; deu dicas de maquiagem para o canal da Vogue americana; superou o número de seguidores no Instagram de uma das mais famosas drag queen do mundo, RuPaul; foi destaque da Beija-Flor no Carnaval 2018; estrelou campanhas publicitárias de marcas famosas; gravou músicas de sucesso com grandes artistas como Major Lazer, Charli XCX, Sofi Tukker, Anitta e Diplo; e já ultrapassou 478 milhões de exibições no Spotify. Neste momento, Vittar grava o seu terceiro álbum de estúdio, “111”, que faz referência ao seu aniversário, em 1º de novembro. “Sou de escorpião, nasci no dia de todos os santos, então, sou que nem paetê: quando não brilha, corta”, finaliza.

Edição paulistana – Isaac Azar

Dono de uma das redes de restaurantes mais cobiçadas do Brasil, Isaac Azar é o destaque da edição paulistana da Revista 29HORAS. Com quase 1,5 milhão de seguidores no Instagram, 700 mil usuários no aplicativo, vídeos no canal do Youtube publicados semanalmente e uma equipe antenada para viabilizar seu trabalho, Isaac valoriza muito as estratégias de comunicação com investimentos em redes sociais e um bom marketing para enaltecer os seus negócios, tanto que o Paris 6 se tornou o restaurante mais “Instagramável” do país.

O menu oferecido pelo estabelecimento leva em consideração o gosto e o desejo do público, sendo geralmente intitulado com nomes de celebridades das mais diferentes mídias, o que, de acordo com Isaac, cria um duplo desejo. “É mais impactante pedir uma Deborah Secco ou um Leo Picon do que simplesmente um prato”, diz. E a partir do pedido, os celulares já estão preparados para captar as mais de 230 opções de pratos salgados e sobremesas disponíveis no cardápio.

A ideia de colocar nomes de famosos nos pratos surgiu com Bruno Gagliasso, durante sua visita ao recém-inaugurado e primogênito Paris 6 na Rua Haddock Lobo, quando o ator ouviu os relatos de viagem de Isaac, que acabara de retornar da França, com a percepção de que os restaurantes de Paris costumam preservar a história de seus grandes personagens com indicações e plaquinhas nas mesas. Os dois, conversando, chegaram a um consenso. “O Bruno me disse: ‘por que você não cria um prato comigo e dá o meu nome?’ Aí veio outro e mais outro, e tudo se multiplicou”. Hoje, todos os pratos do Paris 6 carregam o nome de uma celebridade, que visitam o restaurante e, claro, publicam uma foto nas redes sociais.

Todo o sucesso e reconhecimento são frutos da persistência e hiperatividade de Isaac, que pessoalmente acompanha o andamento de seus restaurantes, chamando funcionários pelos nomes e explicando que sua equipe é uma “multiplicação de Isaaquinhos”, braço direito de seu negócio. Assim foi possível expandir a rede e levar o Paris 6 para outros estados, assim como desenvolver o projeto Petit Paris 6, um modelo mais enxuto de negócio. “Vamos servir as principais sobremesas e pratos rápidos em shoppings e ruas de todo o país. Vou privilegiar os lugares onde não estamos”.

Apesar de o Paris 6 se inspirar no sexto distrito de Paris nos anos 20, os grandes gurus de Isaac são comunicadores e líderes. “Não assisto aos programas dele, não fazem o meu tipo, mas o Silvio Santos é um verdadeiro ícone da mídia brasileira, mudou até de nome para criar uma identificação com o público”. Ele também cita o Comandante Rolim Amaro, ex-piloto e empresário que fundou a TAM, hoje LATAM. “Ele pilotava aviões, mas não deixava de receber os passageiros na porta”, conta. E apesar de todas as unidades do Paris 6 serem um sucesso e agradarem a muita gente, alguns chefs de cozinha criticam seus pratos. Neste caso, o empresário dispara: “não estou preocupado com os críticos gastronômicos”.

Clicando no hiperlink Revista 29HORAS é possível conferir a íntegra das edições de São Paulo e Rio de Janeiro.