Universidade Federal de Lavras (MG) e a recepção de calouros: ‘gênero’ e ‘movimentos LGBT’

O reitor da Universidade Federal de Lavras (UFLA), em Minas Gerais, José Roberto Soares Scolforo, decidiu obrigar os estudantes aprovados no vestibular da instituição a participarem da semana de recepção de calouros

O primeiro período letivo da Universidade Federal de Lavras (UFLA) começa no dia 12 de março. Para integrar os ingressantes à rotina acadêmica, a Pró-Reitoria de Graduação (PRG) promoverá, de 13 a 16 de março, a Recepção de Calouros 2018/1. A programação é constituída por reuniões entre estudantes, coordenadores de curso e membros da PRG; encontro com o reitor; oficinas; atividades do Diretório Central dos Estudantes (DCE); e trote solidário.

Ao divulgar a agenda, a Universidade enfatizou que, de acordo com as regras da universidade, que: “De acordo com a Resolução CEPE n° 42, de 21 de março de 2007, em seu Art. 49 dispõe que: § 1° ‘O estudante que deixar de comparecer às atividades de recepção de calouros será automaticamente desvinculado do curso e da Universidade'”.

As oficinas oferecidas para o dia 14, quarta-feira, tratam de assuntos ligados aos movimentos sociais. Os calouros terão de escolher uma delas para frequentar:

Universidade Lavras
Foto: reprodução

O agenda completa pode ser conferida neste link.

Atividade em 28 de junho de 2017, Dia Internacional do Orgulho LGBT
Atividade em 28 de junho de 2017, Dia Internacional do Orgulho LGBT

Histeria

A divulgação da agenda, entretanto, fez com que a Associação Escola Sem Partido comparecesse à Justiça para impedir que a presença no evento seja compulsória. A UFLA soltou uma nota de esclarecimento no último dia 07:

“A Universidade Federal de Lavras (UFLA) lamenta as interpretações equivocadas sobre a programação da recepção de calouros do primeiro período letivo de 2018 e esclarece:

1) A recepção de calouros é uma atividade tradicional e tem como objetivo o acolhimento dos alunos ingressantes. Os dias da programação são letivos nos calendários escolares da UFLA desde 2007, quando foi aprovada a Resolução do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) nº 042, de 21/3/2007.

2) A programação 2018/1 é diversificada e inclui:

  1. Boas-vindas da Pró-Reitoria de Graduação (PRG) e Integração à Rotina Acadêmica
  2. Oficinas da Coordenadoria para Assuntos das Diversidades e Diferenças (CADD)
  3. Atividades com o Diretório Central dos Estudantes (DCE)
  4. Encontro com o reitor
  5. Trote Solidário – Doação de Sangue
  6. Reunião com a coordenação de cada curso de graduação

3) Neste período letivo, o tema a ser abordado, em parte das atividades, tem foco em questões humanistas e cidadãs, como as de gêneros, garantia de direitos e políticas de cotas. A temática foi escolhida de acordo com o Pacto Nacional Universitário pela Promoção do Respeito à Diversidade, Cultura de Paz e Direitos Humanos, do qual a UFLA é signatária, e com as Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos, do Conselho Nacional de Educação, Ministério da Educação (MEC).

A UFLA é uma das mais qualificadas universidades do País por todos os indicadores disponíveis. Por princípio, não trata de questões partidárias. Dedica-se ao ensino de qualidade, à geração de conhecimentos, ao desenvolvimento de tecnologias e produtos inovadores e à extensão, buscando oferecer retorno à sociedade. Por agir sob tais princípios, os temas das oficinas são tratados de maneira isenta e técnica, com espaço às mais variadas manifestações dos estudantes. No entanto, os temas listados a seguir têm sido classificados por algumas pessoas como se fossem posicionamentos de esquerda radical, causando distorções que estão confundindo a população, quando, na verdade, trata-se de assuntos puramente de interesse humano, sem qualquer conotação partidária.

  • Controle Social e Garantia de Direitos
  • Gênero e Sexualidade
  • A política de Cotas na Universidade Brasileira
  • Gênero e Trabalho
  • Questões de Gênero
  • Mulheres fazem e contam a História: Saberes, Ciência e Movimentos Sociais
  • História das Lutas do Movimento LGBT

A Direção Executiva da UFLA representa a todos de sua comunidade, pois foi eleita para tal. Sabe respeitar as opiniões dos que pensam politicamente desde a esquerda até a direita. Portanto, somos apartidários e pautamos nossas ações na ética. As interpretações que estão sendo equivocadamente divulgadas em mídias sociais, no mínimo de forma precipitada, desrespeitam a instituição e sua direção.

4) A obrigatoriedade a que se refere a programação está prevista na Resolução CEPE n° 42, de 21 de março de 2007, pois as atividades são realizadas em dias letivos. Na programação do evento, está definido que a presença é obrigatória em todos os dias. No caso das atividades do dia 14/3, por exemplo, o estudante pode optar entre oficinas de vários temas ou mesmo pelas atividades programadas pelo DCE, que tradicionalmente incluem momentos culturais e outras.

Dessa forma, estudantes que optaram pela UFLA devem saber que não são obrigados a participar de oficinas específicas, podendo optar entre as várias atividades ofertadas na programação do dia. Nenhum calouro jamais foi ou será desligado da Universidade de forma arbitrária. Contestamos, portanto, qualquer entendimento que, intencionalmente ou não, leve a interpretações diferentes desta.

A UFLA estará sempre à disposição da comunidade acadêmica e da sociedade para esclarecer qualquer dúvida relativa a seus processos.”

Anúncios