Com 43% dos votos, o ator Jesuíta Barbosa foi eleito pelo público como “Poc o Ano” na premiação Poc Awards. Os indicados desta categoria fizeram o outing ou tiveram uma expressiva representatividade LGBT+ em 2019: Jesuíta Barbosa, em entrevista para a Vogue, disse “Se for em função da comunidade, pode escrever aí, por favor: sou viado”; Pedro Alves, no auge de sua carreira, não se intimidou ao revelar sua orientação sexual; Reynaldo Gianecchini, em seu momento mais seguro, falou abertamente sobre sua sexualidade e o jornalista Tarcis Duarte rebateu ao vivo um comentário homofóbico.

poc awards
Troféu Poc do Ano 2019 foi para Jesuíta Barbosa. Foto: Gay Blog Br

Na entrevista, realizada em agosto de 2019, Jesuíta disse que definir sua orientação sexual em um rótulo é algo “limitador”:

“Nunca falaria de sexualidade abertamente se não fosse como provocação ou para abrir possibilidades. Nossa tentativa de discutir essas questões está num lugar muito retrógrado ainda. Acho, por exemplo, a ideia de me colocar como viado ou hétero limitadora, são como duas caixas pré definidas” – disse.

Jesuíta Barbosa não gosta de rotular sua sexualidade (Foto: Reprodução)
Jesuíta Barbosa não gosta de rotular sua sexualidade (Foto: Reprodução)

RELACIONAMENTOS

Bastante discreto quanto a vida particular, Jesuíta Barbosa não é muito de exibir seus romances. Em uma entrevista anterior para a revista Veja, ele comenta sobre o assunto.

“Tem pessoas que colocam a vida pessoal em função de algo e eu acho isso muito bonito, mas falar da minha família ou com quem eu estou, não. Sou livre e fico com quem eu quiser, sejam homens ou mulheres. Prefiro não me bloquear”, disse.

TRAJETÓRIA

Um dos seus papeis de destaque foi interpretando a drag queen “Shakira” na novela Onde Nascem os Fortes (Foto: Reprodução)

Jesuíta Barbosa nasceu em Salgueiro, no Sertão de Pernambuco, mas passou a infância em Parnamirim, também no sertão pernambucano. Aos 17 anos prestou vestibular para publicidade, pedagogia e licenciatura em teatro, sendo este último a sua opção por vocação.

Seus primeiros passos como ator foi no já citado coletivo “As Travestidas” em 2008, viajando com o grupo para diversas cidades do nordeste. Em 2009 integrou a companhia Teatro do Improviso, estreando o Rimprovisando, primeiro espetáculo de improviso do nordeste.

Já em 2012 estreou no cinema com o curta-metragem Dias em Cuba. No entanto, ganhou projeção quando viveu o militar gay em Tatuagem, de Hilton Lacerda, rendendo o Troféu Redentor de Melhor Ator no Festival do Rio de 2013.

Na televisão, trabalhou na novela O Rebu, Justiça, e mais recentemente em Verão 90, onde interpretou o vilão Jerônimo Guerreiro. Também viveu a drag queen “Shakira” de Onde Nascem os Fortes, além de ter participado do clipe “Flutua”, do cantor Johnny Hooker onde interpretou um romance gay dos tempos atuais.

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".