Quatro autores literários decidiram deixa de trabalhar com a Blair Partnership – editora de JK Rowling – após a autora do Harry Potter fazer declarações em que foi acusada de transfobia.

Três deles tiveram seus nomes revelados: Fox Fisher, Drew Davies e Ugla Stefanía Kristjönudóttir Jónsdóttir, enquanto um quarto, segundo informações do The Guardian, preferiu manter o anonimato.

Em declaração conjunta, os três disseram que pediram para que a editora “reafirmasse seu compromisso com os direitos das pessoas trans”, mas que a companhia de JK Rowling aparentemente “era incapaz de se comprometer com qualquer ação que julgávamos apropriada e significativa”.

“A liberdade de expressão só pode ser mantida se as desigualdades estruturais que impedem oportunidades iguais para grupos sub-representados forem desafiadas e alteradas”.

Antes de levar o assunto ao público, houve uma tentativa de diálogo com a empresa, porém, segundo Jónsdóttir, foi sem sucesso.

Já a Blair Partnership disse que é seu “dever, como agência literária, apoiar a todos nessa liberdade fundamental”.

Reprodução

POLÊMICA ENTRE AS TRANS E JK ROWLING

Com grande repercussão nas redes sociais, a JK Rowling foi acusada de transfobia após um tweet publicado no dia 6 de junho em que se referiu as mulheres cisgênero como “pessoas que menstruam”.

“‘Pessoas que menstruam’: Tenho certeza que costumava haver uma palavra para essas pessoas. Alguém me ajude. Wumben? Wimpund? Woomud?” 

Diversos usuários no Twitter lembraram a autora que os homens trans podem menstruar. Já as mulheres trans não menstruam, havendo um grande incômodo dessa parcela da população ao lembrarem a Rowling que não são “menos mulher” por isso. Além disso, Rowling foi acusada de determinar as pessoas apenas pelo sexo designado a elas no nascimento.

Em 2019, ela também recebeu críticas ao afirmar que parte do ativismo trans tem como objetivo o apagamento do conceito de sexo em prol do conceito de gênero, o que deixaria, de alguma forma, mulheres cisgênero vulneráveis e destituídas de suas identidades.

Com informações do Universa.

Daniel Radcliffe defende mulheres trans após comentário transfóbico de J.K Rowling

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".