GAY BLOG BR by SCRUFF

Após um mutirão realizado pelo Núcleo de Defesa da Diversidade e da Igualdade Racial (Nuddir) no Centro de Detenção Provisória Pinheiros II, na Capital, a Defensoria Pública de SP obteve uma decisão judicial que garante o direito de mais de 40 mulheres transexuais terem alterado seu nome e gênero em seu registro de nascimento e demais documentos pessoais.

O pedido foi feito pela Defensora Pública Isadora Brandão e pelo Defensor Vinicius Conceição Silva Silva, ambos Coordenadores do Nuddir, que ingressaram com uma ação em que apresentaram a declaração de vontade das mulheres trans em adequar seu nome e gênero à sua identidade subjetiva. O pedido foi feito com base no Provimento 73/2018 do Conselho Nacional de Justiça, que regulamenta a alteração do prenome e do gênero nos assentos de nascimento e casamento de pessoa transgênero no Registro Civil das Pessoas Naturais.

Na ação, a Defensoria também apontou que ações em andamento, inclusive penais ou de débitos pendentes, não são obstáculos para retificação do nome e gênero das pessoas trans. Este entendimento já restou consolidado no julgamento da ADI 4275, quando o STF se manifestou no sentido de que basta que a alteração do nome seja comunicada às autoridades responsáveis.

“Obstar a retificação de prenome e gênero requerida por pessoas com antecedentes criminais configuraria discriminação injustificada, não albergada pela Constituição, já que os direitos fundamentais à dignidade e à personalidade, que fundamentam o reconhecimento do direito à retificação de prenome e gênero pelo STF em favor de pessoas trans não podem ter a sua fruição condicionada à vida pregressa do cidadão ou cidadã”, afirmaram Isadora e Vinicius.

A Defensoria também apontou que o STF, quando do julgamento da ADI 4275, decidiu, ainda, não ser necessária realização de processo transexualizador, ou qualquer tipo de parecer ou laudo psicológico ou psiquiátrico, uma vez que a transexualidade não é uma patologia, mas sim expressão e legítimo exercício dos direitos de personalidade.

Na decisão de primeira instância, o juízo responsável (1ª Vara da Família e Sucessões do Foro Regional da Lapa, na Capital) reafirmou que, por ser um ato de jurisdição voluntária, basta a declaração de vontade das interessadas e a avaliação das certidões previstas no Provimento 73/2018 do CNJ.

Nesse sentido, julgou procedente o pedido feito pela Defensoria Pública, para alterar os prenomes e o gênero (sexo) das mulheres, determinando seja oficiado o IIRGD (Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt, órgão responsável pela emissão de documento de identidade) e demais órgãos da justiça estadual, federal, eleitoral, trabalhista e militar, para que atualizem nos seus cadastros o nome correto dessas pessoas nos processos que eventualmente respondem.

O processo ainda segue em andamento, em razão de recurso apresentado pelo Ministério Público de SP.

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".