De acordo com uma matéria publicada pela revista Exame em 2018, o ator Johnny Depp esteve no Festival de Zurique para  dar uma palestra visando promover o filme Richard Says Goodbye, que é protagonizado por ele.

Ao longo do evento, Depp disse que, quando interpretou Jack Sparrow, a Disney não ficou feliz com o rumo que ele estava dando ao personagem.

“Me ocorreu que esse cara tinha passado a maior parte de sua vida no alto-mar. Assim, tomou muito sol na cabeça. Seu cérebro ficou meio prejudicado. Fora isso, senti que, no mar, ele ficaria bem. Mas, em terra, ele ficava meio desequilibrado”.

Johnny Depp diz que todos os seus personagens são gays
Foto: Reprodução

Por essa razão, ele recebia telefonemas constantes que perguntavam se Sparrow era doido, bêbado ou gay. Ele respondeu:

“Desculpe, você não sabia que todos os meus personagens são gays?”.

A “roupagem” dada por Depp ao personagem deu certo, e ele se tornou um personagem bastante querido pelo público. Hoje em dia, ele faz visitas a hospitais vestido como Sparrow. “Eu preciso fazer, para mim é um prazer encontrar essas crianças tão corajosas.”

No evento, Depp também diz que ele escolhe personagens que “precisam estar vivos”.

“Tento sempre algo que, espero, não tenha sido visto antes. Cada personagem é uma nova versão de você mesmo. Acho que um ator precisa se arriscar e cair de cara no chão.”

Johnny Deep nasceu em 1963 e, além de ator, também é músico, produtor de cinema e diretor. Além de Piratas no Caribe, outro trabalho bastante conhecido é de Edward Mãos de Tesoura e Wily Wonka em A Fantástica Fábrica de Chocolate. Ele também tem um histórica de longa parceria com o diretor Tim Burton.

Considerado um dos atores mais bem sucedidos de sua geração, ele acumula mais de 250 indicações a prêmios por seu trabalho, entre Oscars, Globo de Outro e Screen Actos Guild.

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".